Desporto

Vitória de Guimarães repudia atos que possam prejudicar "verdade desportiva"

O Vitória de Guimarães, da I Liga portuguesa de futebol, repudiou hoje o eventual ato de corrupção no jogo entre os minhotos e o Sporting, da terceira jornada da época 2017/18, e deseja o "apuramento da verdade".

Há seis jogos do Sporting sob suspeita de corrupção nesta época, entre os quais a partida em que os 'leões' derrotaram os vimaranenses por 5-0, em agosto, no Estádio Dom Afonso Henriques.

Intermediários a mando do clube 'verde e branco' que efetuaram um pagamento a João Aurélio, lateral-direito dos minhotos, e a direção do clube vitoriano, além de mostrar "surpresa e estupefação" pela suspeita, realçou que é preciso resolver uma situação que põe em causa o "bom nome e a credibilidade de uma instituição quase centenária e que se orgulha de ser uma referência desportiva nacional".

"O Vitória Sport Clube repudia, de forma veemente, a prática de qualquer ato que prejudique a verdade desportiva e extrairá as devidas consequências junto de todo e qualquer agente desportivo que se venha a demonstrar ter praticado tais atos", refere a nota assinada pelo presidente do clube, Júlio Mendes.

Nono classificado na edição 2017/18 da I Liga, o clube exigiu ainda "uma rápida, enérgica e eficiente intervenção dos órgãos judiciais competentes" e "mostrou-se totalmente ao dispor para o que venha a ser entendido como necessário", uma vez que é o "principal interessado no apuramento da verdade".

O Sporting encontra-se atualmente sob investigação da PJ, que já levou à detenção do 'team manager' do clube, André Geraldes, mas também de Paulo Silva, suposto intermediário nos casos de alegada corrupção em jogos de andebol, e de João Gonçalves e Gonçalo Rodrigues.

A investigação do Ministério Público incide também sobre vários jogos de futebol, nomeadamente o da terceira jornada da I Liga desta época, entre o Vitória de Guimarães e o Sporting.

Com Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16