Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
2:19

Portugueses que se juntem ao Estado Islâmico considerados terroristas

2
1:35

Distribuição de gás russo assegurada na Ucrânia até março de 2015

3
1:18

Barroso espera que acordo aumente a confiança entre a Rússia e Ucrânia

4
1:02

Costa diz que decisão do TC é para repor salários em 2016

5
3:47

Médica portuguesa parte para a Serra Leoa para ajudar no combate ao Ébola

6
0:47

Ministro da Defesa realça prontidão da força aérea a intercetar bombardeiros russos

7
1:09

Debate sobre OE teve "momento zen" entre Ana Paula Vitorino e Pires de Lima

8
3:42

Oposição acusa Governo de apresentar OE que continua a apostar em cortes

9
0:33

"Samaris até podia ser ponta-de-lança e eu achar que ele era médio defensivo"

10
2:23

Jesus surpreendido por não estar entre candidatos a melhor treinador do mundo

11
1:21

Treinador do Rio Ave espera pontuar no Estádio da Luz

12
1:01

SIC Notícias ganha prémio de melhor canal de informação

13
3:52

Novo filme "Tartarugas Ninja - Heróis Mutantes" a partir desta semana nos cinemas

15:38 16.05.2012

Mais de 400 mil trabalhadores procuram emprego há mais de um ano

LUSA Arquivo Lusa

No primeiro trimestre deste ano havia 416 mil  pessoas à procura de emprego há pelo menos um ano, segundo dados hoje divulgados  pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). 

Os números do INE revelam que a taxa de desemprego de longa duração  (isto é, a percentagem da população ativa sem emprego há mais de um ano)  atingiu os 7,6 por cento - ou seja, mais de metade da taxa total. 

Estes números são máximos históricos. No entanto, o desemprego de muito  longa duração - pessoas sem emprego há mais de dois anos - caiu no primeiro  trimestre, embora continue a níveis muito altos: estava nos 249 mil no último  trimestre de 2011, está nos 228 mil no início de 2012.  

Alguns destes desempregados terão arranjado emprego; outros terão desistido  de procurar. Ainda segundo o INE, 17 por cento dos desempregados (independentemente  da duração) no final do ano passado arranjaram emprego; outros 14 por cento  passaram à condição de inativos. 

A taxa de desemprego oficial no primeiro trimestre situou-se nos 14,9  por cento. 

 

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .