Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
0:49

Passos reafirma que não tem dívidas ao Fisco nem teve tratamento privilegiado

2
1:07

"Não há ninguém que possa dizer que conhece todas as leis"

3
0:26

Ministra garante que não há interferência do Governo nas investigações criminais

4
0:38

Jerónimo de Sousa admite referendo no país para decidir permanência no euro

5
2:12

Governo nega que haja lista de constribuintes a que o Fisco não tenha acesso

6
3:38

Mulheres teriam de trabalhar mais 65 dias por ano que os homens para ganharem o mesmo

7
0:42

Paulo Pereira Cristóvão aguarda julgamento em prisão preventiva

8
0:22

Paulo Macedo aguarda resultados do caso que envolve o presidente do INEM para tomar decisões

9
4:43

Cansada: uma canção pelas vítimas da violência doméstica

10
0:12

Adolescente turco acusado por crime de lesa-majestade

11
9:17

Agentes de futebol contra liberalização da atividade

12
2:38

Ronaldo mostra dotes de dançarino em vídeo de lançamento da marca de calçado

13
0:37

"Esta mão frouxa permitiu-me ganhar três Ligas dos Campeões"

14
3:52

Jimmy Page reedita álbum "Physical Graffiti" dos Led Zeppelin

15:38 16.05.2012

Mais de 400 mil trabalhadores procuram emprego há mais de um ano

LUSA Arquivo Lusa

No primeiro trimestre deste ano havia 416 mil  pessoas à procura de emprego há pelo menos um ano, segundo dados hoje divulgados  pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). 

Os números do INE revelam que a taxa de desemprego de longa duração  (isto é, a percentagem da população ativa sem emprego há mais de um ano)  atingiu os 7,6 por cento - ou seja, mais de metade da taxa total. 

Estes números são máximos históricos. No entanto, o desemprego de muito  longa duração - pessoas sem emprego há mais de dois anos - caiu no primeiro  trimestre, embora continue a níveis muito altos: estava nos 249 mil no último  trimestre de 2011, está nos 228 mil no início de 2012.  

Alguns destes desempregados terão arranjado emprego; outros terão desistido  de procurar. Ainda segundo o INE, 17 por cento dos desempregados (independentemente  da duração) no final do ano passado arranjaram emprego; outros 14 por cento  passaram à condição de inativos. 

A taxa de desemprego oficial no primeiro trimestre situou-se nos 14,9  por cento. 

 

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .