sicnot

Perfil

Economia

PS coloca 9 perguntas a Passos sobre situação perante Segurança Social

O PS formalizou hoje a entrega do requerimento para que a Comissão Parlamentar de Segurança Social questione o primeiro-ministro sobre a sua situação contributiva e avançou com uma proposta de nove perguntas a colocar a Passos Coelho.

JOS\303\211 COELHO

A apresentação deste requerimento sobre a situação contributiva de Pedro Passos Coelho (entre 1999 e 2004) foi anunciada na segunda-feira pela vice-presidente da bancada socialista Sónia Fertuzinhos, devendo ser debatido e votado na quarta-feira ao fim da manhã em reunião da Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social.

Entre as nove questões propostas pelo PS, consta uma em que se pretende que Pedro Passos Coelho explique o motivo pelo qual não terá procedido ao pagamento de juros entre 2012 e 2015, "uma vez que terá pago em fevereiro de 2015 o montante total de dívida apurado até 2012".

O PS pergunta também se Passos Coelho confirma que iniciou a atividade nas finanças em julho de 1996 e se foi nessa altura que se inscreveu na segurança social enquanto trabalhador independente.

"Quando deixou de ser deputado na Assembleia da República, em algum momento entre 1999 e 2004 informou a segurança social do facto de passar a ser exclusivamente trabalhador independente? Sendo que a legislação em vigor permitia ao contribuinte a escolha do escalão de rendimentos sobre o qual era aplicado o valor de contribuições a pagar, qual foi o escalão escolhido? A escolha foi da sua responsabilidade?", pergunta ainda o PS.

O PS pretende também saber em que data a segurança social tomou conhecimento do facto de Passos Coelho ter exercido a atividade enquanto trabalhador independente e se "recebeu alguma carta da segurança social, entre 2006 e 2009, informando de uma dívida de contribuições registada no sistema em seu nome".

No conjunto de questões propostas pelos socialistas observa-se que em 2013 Pedro Passos Coelho teria registado no sistema de segurança social uma dívida no valor total de 7.430. 

"Confirma que pagou em fevereiro de 2015 apenas quatro mil euros?", questiona o PS.

Neste contexto, o PS refere ainda que, de acordo com as informações prestadas, o primeiro-ministro terá sido informado pela segurança social, em 2012, que a dívida que tinha acumulado até ao final de 2004 era de 2.880,26 euros, à qual acresciam juros de mora no valor de 1.034,48 euros, totalizando, deste modo, um montante total de 3.914,74 euros e que "confirmou no fim do mês passado" que o montante de dívida se mantinha. 

"Qual a última data em que obteve informação formal da segurança social do montante total em dívida (incluindo juros)?", interrogam ainda os deputados do PS.

No plano político, o PS justifica este requerimento pelo facto de nos últimos dias terem surgido "diversas notícias relacionadas com as dívidas" do primeiro-ministro à segurança social, reportadas ao período entre 1999 e 2004.

No período entre outubro de 1999 e setembro de 2004, refere o documento do PS, Passos Coelho "terá sido consultor da Tecnoforma e terá trabalhado também para outras empresas (nomeadamente para a empresa LDN e na associação URBE), igualmente enquanto trabalhador independente". 

"Neste período exercia exclusivamente a atividade de trabalhador independente, ficando obrigatoriamente sujeito ao pagamento de contribuições à segurança social", frisa o requerimento do PS.

Desta forma, para o PS, "atendendo à informação que é conhecida, veiculada pelos órgãos de comunicação social, subsistem diversas dúvidas que importa clarificar".



Lusa
  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Cuidados a ter na Black Friday
    1:43

    Economia

    A Black Friday arranca oficialmente em Portugal esta sexta-feira com descontos que podem ir até aos 80%. A Deco avisa que nem todas são boas oportunidades e apela à atenção dos consumidores.

  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • DGO divulga hoje execução orçamental até outubro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese da execução orçamental em contas públicas até outubro, sendo que, em contabilidade nacional, o Governo estima reduzir o défice para 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.

  • Pense bem antes de beijar um colega

    Mundo

    O tribunal da província espanhola de Huesca aceitou o pedido de indemnização de uma mulher que foi vítima de assédio sexual por parte de um colega de trabalho. A mulher terá pedido boleia ao colega que, dentro do carro, lhe passou a mão pelas pernas, mas não ficou por aí.

    SIC