sicnot

Perfil

Economia

Granadeiro diz falar sob "juramento" no âmbito do caso BES

O antigo presidente da Portugal Telecom (PT) Henrique Granadeiro começou pelas 16:10 a sua audição na comissão de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES) e fará uma declaração inicial de 30 minutos sob "juramento".

Ex-presidente da Portugal Telecom Henrique Granadeiro

Ex-presidente da Portugal Telecom Henrique Granadeiro

JO\303\203O RELVAS (Lusa)

O presidente da comissão, o deputado do PSD Fernando Negrão, realçou que, após a declaração inicial, o responsável responderá, como normalmente, às perguntas dos deputados dos vários partidos.

O responsável iniciou a sua intervenção dizendo querer "contribuir para o esclarecimento da verdade dos factos" e realçou falar sob "juramento" devido às suas crenças religiosas e à sua "convicção republicana".

A audição de Granadeiro é das mais esperadas da comissão de inquérito, mais a mais após a presença no parlamento do também ex-presidente executivo da PT, Zeinal Bava, na passada quinta-feira.

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e tinha inicialmente um prazo total de 120 dias, até 19 de fevereiro, mas foi prolongado por mais 60 dias.

Os trabalhos dos parlamentares têm por objetivo "apurar as práticas da anterior gestão do BES, o papel dos auditores externos e as relações entre o BES e o conjunto de entidades integrantes do universo do GES, designadamente os métodos e veículos utilizados pelo BES para financiar essas entidades".


Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15