sicnot

Perfil

Economia

Lucro dos CTT sobe 26,5% no ano passado para 77,2 M€

O lucro dos CTT - Correios de Portugal subiu 26,5% no ano passado, face a 2013, para 77,2 milhões de euros, anunciou hoje a empresa liderada por Francisco de Lacerda.

(Reuters/Arquivo)

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os CTT adiantam que os rendimentos operacionais totais cresceram 2,4% para 717,8 milhões de euros, "invertendo cinco anos de declínio".

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) recorrentes (antes de rendimentos e gastos recorrentes) subiram 9,9% para 135,1 milhões de euros.

Os CTT adiantam que os rendimentos de correio inverteram a tendência passada e subiram 0,8%, resultante da desaceleração na queda no tráfego de correio endereçado para 5,7% e do aumento do preço médio do Serviço Postal Universal de 4,1%.

Além disso, "os serviços financeiros consolidam a oferta e posição de mercado e conseguem um forte crescimento dos rendimentos recorrentes de 21,4%, reforçando esta alavanca como fundamental no crescimento global dos CTT", acrescentam.

No caso do expresso e encomendas, estas apresentaram um "decréscimo marginal de rendimentos de 0,4%, apesar do tráfego crescer 0,9%, em resultado do efeito de 'mix' de produtos, já que o crescimento está a ocorrer principalmente no segmento 'B2C' [negócio virado para o consumidor]".


Lusa
  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.