sicnot

Perfil

Economia

Lucro dos CTT sobe 26,5% no ano passado para 77,2 M€

O lucro dos CTT - Correios de Portugal subiu 26,5% no ano passado, face a 2013, para 77,2 milhões de euros, anunciou hoje a empresa liderada por Francisco de Lacerda.

(Reuters/Arquivo)

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os CTT adiantam que os rendimentos operacionais totais cresceram 2,4% para 717,8 milhões de euros, "invertendo cinco anos de declínio".

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) recorrentes (antes de rendimentos e gastos recorrentes) subiram 9,9% para 135,1 milhões de euros.

Os CTT adiantam que os rendimentos de correio inverteram a tendência passada e subiram 0,8%, resultante da desaceleração na queda no tráfego de correio endereçado para 5,7% e do aumento do preço médio do Serviço Postal Universal de 4,1%.

Além disso, "os serviços financeiros consolidam a oferta e posição de mercado e conseguem um forte crescimento dos rendimentos recorrentes de 21,4%, reforçando esta alavanca como fundamental no crescimento global dos CTT", acrescentam.

No caso do expresso e encomendas, estas apresentaram um "decréscimo marginal de rendimentos de 0,4%, apesar do tráfego crescer 0,9%, em resultado do efeito de 'mix' de produtos, já que o crescimento está a ocorrer principalmente no segmento 'B2C' [negócio virado para o consumidor]".


Lusa
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11