sicnot

Perfil

Economia

Países da UE querem diminuir preço do 'roaming' mas rejeitam a sua eliminação

Os países da União Europeia (UE) decidiram esta quarta-feira propor uma redução, a partir de junho de 2016, do preço do 'roaming', a utilização do telemóvel em viagem fora do país de origem e em outros Estados-membros.

Numa reunião dos seus embaixadores, os países da UE decidiram a posição que vão adotar nas negociações com o Parlamento Europeu, outro legislador comunitário, sobre as futuras normas do 'roaming' e a neutralidade da internet. (Arquivo)

Numa reunião dos seus embaixadores, os países da UE decidiram a posição que vão adotar nas negociações com o Parlamento Europeu, outro legislador comunitário, sobre as futuras normas do 'roaming' e a neutralidade da internet. (Arquivo)

© Christian Hartmann / Reuters

A proposta difere daquela que tinha sido apresentada pela Comissão Europeia (CE), que tinha sugerido a eliminação de qualquer custo suplementar por este serviço de chamadas de telemóvel.  

Numa reunião dos seus embaixadores, os países da UE decidiram a posição que vão adotar nas negociações com o Parlamento Europeu, outro legislador comunitário, sobre as futuras normas do 'roaming' e a neutralidade da internet. 

A UE vai legislar sobre estes dois assuntos após o Conselho Europeu, onde estão representados os 28 Estados-membros, ter rejeitado um vasto pacote legislativo que incluía as mesmas soluções, uma proposta designada pela Comissão "Continente ligado" e que incluía uma série de medidas em várias áreas para criar um "verdadeiro mercado único das telecomunicações". 

Com base na proposta da CE sobre o fim do 'roaming' em 2016, o Parlamento Europeu já aprovou em abril a eliminação desses encargos, e a aplicação aos utilizadores das mesmas tarifas móveis por chamada ou ligação de dados, independentemente do país em que se encontrem. 
Lusa
  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite