sicnot

Perfil

Economia

Arménio Carlos acusa Passos de ter a "mentira como dama de companhia"

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse à Lusa que o primeiro-ministro tem a "mentira como dama de companhia" referindo-se às dúvidas sobre a situação fiscal do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

João Relvas

"Esta questão da Segurança Social que envolve o primeiro-ministro, não é um processo isolado, é um processo que está inserido em outra linha de funcionamento pessoal e também político que ele tem tido ao longo dos anos porque este primeiro-ministro faz da mentira a sua dama de companhia", disse à Lusa Arménio Carlos durante a manifestação da CGTP em Lisboa. 

Para o dirigente da central sindical, que pede a demissão do governo, Pedro Passos Coelho comportou-se da mesma forma quando anunciou as promessas eleitorais "que deitou para um saco sem fundo". 

"Primeiro afirmou que foi com o desconhecimento dos rendimentos para não pagar impostos e agora a ideia de que não conhecia aquilo que todos os portugueses conheciam: que aquilo que qualquer trabalhador por conta de outrem independente e assim como as entidades patronais têm de descontar para a Segurança Social e estamos perante alguém que continua a persistir numa mentira", disse Arménio Carlos que acusa o primeiro-ministro de fugir à realidade provocada pelo próprio Executivo. 

"Não estamos só a falar de alguém que neste caso concreto não assume para si os sacrifícios que quer impor aos outros", afirmou, acrescentando que o Presidente da República é o principal "apoiante" do Governo.

"O que é mais grave é que confirmamos que o Presidente da República é o estratega do desenvolvimento da política do Governo e continua a levar ao colo este Governo, independentemente dos escândalos em que caiu", concluiu.

Os trabalhadores dos distritos de Lisboa e de Setúbal manifestam-se hoje em Lisboa, no âmbito de uma jornada de luta da CGTP-IN, em defesa de melhores salários e emprego e contra a desregulação dos horários de trabalho. 

A Jornada Nacional de Luta da Intersindical decorre de forma descentralizada, com manifestações e concentrações em todos os distritos do país sob o lema: Romper com a política de direita! Construir uma alternativa de Esquerda e Soberana! 

 A central sindical convocou o dia de protesto com o objetivo de "prosseguir e intensificar a luta reivindicativa pelo aumento dos salários, pelo emprego e combate à precariedade, pelas 35 horas de trabalho e contra a desregulamentação dos horários".

Lusa
  • Presidente do Sporting vai processar um dos sócios do clube
    0:42

    Desporto

    Bruno de Carvalho anunciou esta sexta-feira que vai processar o sócio José Pedro Rodrigues. O presidente do Sporting acusa o sócio de ter posto a circular um documento falso que revelava que Bruno de Carvalho estaria a ser investigado por causa das transferências de Bruno César e Alan Ruiz. O caso fez Bruno de Carvalho tomar uma decisão sobre o futuro.

  • Bruno de Carvalho contra almoço de Dias da Cunha e Menezes Rodrigues com Luís Filipe Vieira
    1:17

    Desporto

    Bruno de Carvalho insurgiu-se, esta sexta-feira, contra Dias da Cunha e Menezes Rodrigues por terem estado, em Setúbal, num almoço com Luís Filipe Vieira. Durante o discurso na Assembleia-geral do clube, o presidente dos leões considerou lamentável a atitude dos dois sportinguistas numa altura em que o Benfica é acusado pelos rivais de poder estar envolvido num alegado esquema de corrupção e tráfico de influências.

  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho. 

  • Johnny Depp pede desculpa por piada a sugerir assassínio de Trump

    Mundo

    Johnny Depp pediu esta sexta-feira desculpa por ter feito uma piada sobre assassinar Donald Trump, durante a sua atuação no Festival de Glastonbury, em Inglaterra. "Quando foi a última vez que um ator assassinou um Presidente?", foi assim que o ator e músico falou para a multidão que o estava a ver. Contudo, as declarações não foram bem recebidas pela Casa Branca, que emitiu um comunicado a condenar as palavras.