sicnot

Perfil

Economia

BE exige que primeiro-ministro mostre contribuições até ao debate quinzenal na AR

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, exigiu hoje ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que mostre o seu registo de contribuições para a Segurança Social e fiscal antes do debate quinzenal de quarta-feira na Assembleia da República.

LU\303\215S FORRA

Ao discursar num almoço comício do Bloco de Esquerda (BE) em Pechão, no concelho de Olhão, distrito de Faro, Catarina Martins disse que se Pedro Passos Coelho não esclarecer as dúvidas que o partido tem sobre as contribuições que devia ter pago à Segurança Social entre 1999 e 2004, não tem condições para exercer o cargo.

Catarina Martins considerou que este assunto é "sério", disse estar "em causa o regime e a democracia" e defendeu que "Pedro Passos Coelho tem que responder", porque este é um assunto que "já se arrasta há tempo demais" e "há tempo demais que o primeiro-ministro dá explicações que nada explicam e que só contribuem para insultar o país".

"E portanto é bom que o senhor primeiro-ministro o faça e o faça antes de quarta-feira, quando há debate quinzenal na Assembleia da República. Porque não pode um primeiro-ministro que está sob suspeita de não respeitar as mais básicas obrigações como cidadão, estar a responder ao parlamento enquanto primeiro-ministro, sem ter explicado exatamente tudo o que fez e tudo o que pagou", afirmou a dirigente do Bloco.

Catarina Martins disse que hoje foram públicas na imprensa notícias que dão conta de que "dos 58 meses de calote que o senhor primeiro-ministro deu à Segurança Social quando ainda era só o Pedro, terá pagado apenas 32 meses".

"Ou seja, há 26 meses de calote na Segurança Social ainda", criticou, frisando que isto causa um "problema político" ao Governo, que tem tido ao longo destes anos "um discurso moralista sobre os portugueses" e os fez serem "fiscais uns dos outros", além de as suas primeiras habitações serem penhoradas caso tenham dívidas ao fisco.

Por isso, Catarina Martins disse que o Bloco vai apresentar um projeto de resolução no parlamento para proibir a penhora de primeiras residências a pessoas com dívidas ao fisco, que disse ser prática de um país que "não é sério e que respeite as pessoas".

"Não há nada que justifique que alguém fique sem teto para morar", defendeu.

Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.