sicnot

Perfil

Economia

Faria de Oliveira qualifica colapso do BES como "impensável e deplorável"

A queda do Banco Espírito Santo (BES) apanhou o líder da Associação Portuguesa de Bancos (APB) de surpresa, com Faria de Oliveira a dizer no parlamento que tal cenário era impensável poucos meses antes de ser consumado.

Inacio Rosa

"A impensável e deplorável crise do BES teve efeitos imediatos que se traduziram em danos de imagem e de reputação para o setor e para o país", afirmou Fernando Faria de Oliveira durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES/Grupo Espírito Santo (GES).

O responsável apontou também para o impacto nos mercados financeiros, realçando que "é necessário separar o trigo do joio".

Apesar de a medida de resolução aplicada pelo Banco de Portugal ao banco não ser a preferida da APB, conforme Faria de Oliveira revelou hoje aos deputados, apontando em alternativa para a utilização da linha pública de recapitalização da banca, o responsável reconheceu que a intervenção do supervisor "permitiu salvaguardar a estabilidade do sistema".

Questionado sobre as lições a retirar a partir do exemplo do BES, o responsável considerou que "o caso BES, depois do BPN e do BPP, mostram que as crises económicas profundas podem afetar as instituições, mas é a má gestão" que os fragiliza.

E apontou para os valores essenciais para quem lidera instituições financeiras: "Idoneidade, ética e honra".


Lusa
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.