sicnot

Perfil

Economia

Cavaco diz que taxa de crescimento para 2015 pode chegar aos 2%

O Presidente da República afirmou hoje que a taxa de crescimento da economia portuguesa em 2015 poderá ser de 2% devido à quebra do preço do petróleo e à depreciação do euro.

Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, discursa durante a cerimónia de inauguração do radar meteorológico de Arouca, na Serra da Freita.

Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, discursa durante a cerimónia de inauguração do radar meteorológico de Arouca, na Serra da Freita.

Estela Silva (Lusa)

"Em 2014, o crescimento económico foi de 0,9 %, sendo que a previsão para 2015 é de 1,5 %. Contudo, a recente quebra do preço do petróleo e a depreciação do euro poderão conduzir a uma revisão em alta da taxa de crescimento para 2015, para valores em torno de 2%", disse Aníbal Cavaco Silva, em Paris, perante o conselho da OCDE. 


O Presidente da República foi hoje o primeiro chefe de Estado português a realizar uma visita oficial à sede da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), organismo do qual Portugal faz parte, em Paris.  


Num discurso otimista sobre a situação da economia nacional, Cavaco Silva disse ainda que para 2015 a previsão do Governo português é que o país tenha um défice orçamental abaixo dos 3% e, se tal ocorrer, "o país sairá do procedimento de défice excessivo. (...) Um ajustamento orçamental desta magnitude representa um esforço de grandes proporções".


O Presidente da República referiu que com a conclusão do programa de ajustamento os juros da dívida pública nacional têm vindo a reduzir-se para "mínimos históricos".


"Apesar de a dívida pública ainda atingir cerca de cerca de 129% do Produto Interno Bruto (PIB), prevê-se que a redução do rácio da dívida tenha início já em 2015", sustentou o Presidente da República perante o órgão mais importante da OCDE.


Elogiando os relatórios elaborados pela OCDE como tendo um papel muito relevante ao permitirem "uma avaliação independente das políticas públicas e reformas estruturais", Cavaco Silva não se referiu ao relatório de 09 de março segundo o qual a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico continuava a apontar para uma desaceleração da melhoria da atividade económica em Portugal.


Segundo os indicadores compósitos da OCDE, Portugal voltou a recuar duas centésimas em janeiro, face a dezembro, para 101,27 pontos, acima do nível 100 que marca a média de longo prazo e acima da média dos países da zona euro, que progrediu 11 centésimas para 100,7 pontos.


Contudo, o Presidente da República lembrou aos elementos do conselho da OCDE que os últimos quatro anos foram "particularmente difíceis" para o país sujeito a um programa de assistência económica e financeira, mas sublinhou a recuperação da credibilidade e do acesso aos mercados.


"A economia portuguesa apresenta-se mais competitiva, sustentável e integrada na economia global", afirmou.


O Presidente da República, que realiza uma visita de dois dias a Paris, encontra-se ainda hoje com representantes da comunidade portuguesa.


A OCDE produz estudos e relatórios sobre os mais variados temas desde económicos, como o desemprego, à educação e é composta por 34 países. 


Lusa
  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.