sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida de Portugal a descer a dois anos e a subir nos prazos mais longos

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a cair a dois anos e a subir a cinco e dez anos em relação a quarta-feira.        

Hoje, cerca das 08:40 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a subir para 1,826%, contra 1,815% na quarta-feira e o mínimo de sempre, de 1,560%, a 13 de março passado.         

 

Os juros a cinco anos também estavam a subir, para 1,049%, contra 1,045% na quarta-feira e o mínimo de sempre de 0,823% a 12 de março.

 

Em sentido contrário, os juros a dois anos estavam a cair para 0,098%, contra 0,116% na quarta-feira e o mínimo histórico de 0,092% a 16 de março.

 

A 09 de março passado, o Banco Central Europeu (BCE) arrancou com um programa sem precedentes de compra de dívidas soberanas e privadas, que vai permitir injetar 60 mil milhões de euros por mês, até, pelo menos, setembro de 2016, na economia da zona euro na esperança de a redinamizar.       

 

Os efeitos do programa fizeram sentir-se por antecipação há várias semanas nas taxas de juro das dívidas soberanas, que evoluem em sentido inverso ao da procura e têm renovado mínimos diariamente. Algumas das taxas tornaram-se negativas nos prazos mais curtos, ou seja, os investidores estão dispostos a pagar para deter estes títulos considerados muito seguros.  

 

A 17 de maio de 2014, Portugal abandonou oficialmente o resgate sem qualquer programa cautelar.

 

O programa de ajustamento solicitado por Portugal à 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), no valor de 78 mil milhões de euros, esteve em vigor durante cerca de três anos.

 

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam a cair a cinco e dez anos, enquanto os de Itália estavam a subir em todos os prazos e os de Espanha estavam a descer a dois e cinco anos e a subir a dez anos. 

Em relação aos juros da Grécia, estes estavam a subir a cinco anos e a subir a dez anos, para valores em torno dos 15,6% e de 10,9%, respetivamente.


Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 8:40:

           2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

 

26/03..... 0,098......1,049....1,826

 

25/03..... 0,116......1,045....1,815

 

Grécia

 

26/03..... n disp....15,583...10,943

 

25/03..... n disp....15,458...10,935

 

Irlanda

 

26/03......n disp......0,247....0,784

 

25/03......n disp......0,251....0,785

 

Itália

 

26/03......0,278......0,628....1,349

 

25/03......0,274......0,623....1,336

 

Espanha

 

26/03......0,106......0,591....1,296

 

25/03......0,112......0,596....1,289

 

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

 

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.