sicnot

Perfil

Economia

Galp está entre as empresas afetadas pela crise na Petrobras

A petrolífera portuguesa Galp é uma das pelo menos seis empresas europeias que manifestou nas últimas semanas ter já sentido o impacto da crise financeira que atravessa a Petrobras e dificulta as operações dos seus fornecedores.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

REUTERS

"A reprogramação do plano de negócios [no Brasil] é mais devido à falência de empresas prestadoras de serviços à Petrobras", disse o presidente cessante da Galp, Ferreira de Oliveira, em declarações aos jornalistas à margem de um encontro com investidores, em Londres, em meados de março.

Em causa estão seis plataformas que deveriam entrar em operação em 2017 e que agora só deverão começar a funcionar em 2018, explicou, o que teve um impacto: "O nosso diagnóstico dita um ano de atraso, mas é uma estimativa da média de todos os atrasos", adiantou Ferreira de Oliveira.

Contactada hoje pela Lusa, a Galp escusou-se a comentar diretamente a situação na Petrobras, a petrolífera brasileira a braços com uma crise financeira motivada pelas restrições impostas pelas autoridades no seguimento das investigações do processo Lava-Jato, que está a comprovar ligações de financiamento ilegal entre anteriores diretores da empresa e vários proeminentes políticos.

A Galp é, no entanto, apenas uma das várias empresas europeias que já sentiram o efeito da crise nas suas contas e que enfrentam dificuldades e atrasos nos pagamentos, como a espanhola Repsol, a italiana Saipem e a britânica BG Group, de acordo com a contabilização feita pela agência de informação financeira Bloomberg.

No princípio da década, a Saipem investiu 300 milhões de dólares no Brasil, juntando-se a uma longa lista de empresas que queriam ter negócios com a Petrobras, uma pujante companhia petrolífera brasileira que 'prometia' grandes descobertas de petróleo numa zona nova conhecida como 'pré-sal', uma espécia de camada por baixo do fundo do mar, e investia mais de 100 milhões de dólares por dia.

Agora, o escândalo financeiro e político está a obrigar a empresa a cortar nas despesas, a vender ativos superiores a 13 mil milhões de dólares e está arredada, na prática, dos mercados interancionais, tendo o 'rating' das agências de notação financeira sido deteriorado.

"O Brasil é um grande mercado; quando pára, isso afeta toda a indústria", admitiu o presidente executivo da Siem Offshore, uma empresa operadora de navios de abastecimento petrolífero, que enfrenta agora o problema de saber se os quatro a seis navios que estão reservados para a Petrobras vão ou não ser necessários.

A Halliburton, um gigante petrolífero mundial, assumiu também que a situação na Petrobras implica novos "desafios" para a companhia, com a atividade no país a continuar a decair, e outras empresas admitiram também, durante as sessões de apresentações de resultados aos investidores, que há atrasos nos pagamentos da Petrobras e até pedidos explícitos de adiamento de contratos, de acordo com a compilação feita pela agência Bloomberg.

Na terça-feira, a presidente do Brasil, numa entrevista exclusiva à Bloomberg, garantiu que a Petrobras iria, até ao final de abril, apresentar uma declaração orçamental que tem sido sucessivamente adiada.

Dilma Rousseff negou que tivesse conhecimento dos subornos praticados na empresa que dirigiu entre 2003 e 2010 e, no mesmo dia, as ações subiram significativamente, também por causa da notícia do empréstimos de 3,5 mil milhões de dólares contraído junto do Banco de Desenvolvimento da China, o braço financeiro do Executivo chinês.









Lusa
  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares