sicnot

Perfil

Economia

Tranquilidade reconhece perdas superiores a 200 milhões com exposição ao GES

A Tranquilidade reconheceu perdas extraordinárias de 206,6 milhões de euros com a sua exposição ao Grupo Espírito Santo (GES) nas contas de 2014, das quais 140,3 milhões de euros são menos valias ligadas à dívida do grupo.

"A Tranquilidade fechou 2014 com um resultado 'pro forma' das suas operações correntes de 18,3 milhões de euros. No entanto, teve de reconhecer perdas extraordinárias de 206,6 milhões" de euros, lê-se numa nota da seguradora. (Arquivo)

"A Tranquilidade fechou 2014 com um resultado 'pro forma' das suas operações correntes de 18,3 milhões de euros. No entanto, teve de reconhecer perdas extraordinárias de 206,6 milhões" de euros, lê-se numa nota da seguradora. (Arquivo)

SIC

"A Tranquilidade fechou 2014 com um resultado 'pro forma' das suas operações correntes de 18,3 milhões de euros. No entanto, teve de reconhecer perdas extraordinárias de 206,6 milhões" de euros, lê-se numa nota enviada à agência Lusa pela seguradora.

Do total das perdas reconhecidas, "140,3 milhões de euros foram referentes a menos valias ligadas à dívida do GES e o restante a perdas em investimentos também relacionados com o GES", especificou a Tranquilidade.

A entidade revelou que concluiu no final de março a etapa de recapitalização, apresentando agora uma margem de solvência superior a 300%, o que lhe "assegura a manutenção da solidez de referência no mercado que sempre teve".

Com a injeção de capital feito na seguradora pelos novos donos, os norte-americanos da Apollo, a Tranquilidade cumpre "todos os demais rácios prudenciais, incluindo os de representação das provisões técnicas", destacou a companhia.

E realçou: "Este aumento traz à companhia maior capacidade de investimento e de desenvolvimento da sua rede de distribuição".

De acordo com a seguradora, que conta com quase 150 anos de existência, a Tranquilidade "entra assim numa nova era de solidez, investimento e crescimento".

Em meados de janeiro último, a Apollo fechou a compra da seguradora que fazia parte do GES ao Novo Banco - o banco de transição que resultou da medida de resolução aplicada pelo Banco de Portugal ao Banco Espírito Santo (BES) no verão passado -, passando a ser o único acionista da Tranquilidade.

O negócio terá sido fixado em torno de 215 milhões de euros, dos quais 50 milhões de euros em dinheiro e mais de 150 milhões de euros foram garantidos para reforçar os capitais da instituição.

Com esta operação, o grupo Apollo passou a controlar todos os ativos da Companhia de Seguros Tranquilidade, incluindo todas as suas participações, nomeadamente, T-Vida, Logo, Tranquilidade Moçambique e Tranquilidade Moçambique Vida.

O grupo Apollo passa também a controlar as participações que a Tranquilidade detém na Corporação Angolana de Seguros, BES Seguros, Europ Assistance Portugal, Esumédica e na Contact.

No caso da participação que a Tranquilidade detém na AdvanceCare, esta foi adquirida diretamente pelo grupo Apollo.

O grupo Apollo é um gestor de fundos de referência mundial, que gere ativos no valor de 127 mil milhões de euros, está cotado na Bolsa de Nova Iorque e conta com 10 escritórios na América do Norte, na Europa e na Ásia.

Fundada em 1871, a seguradora Tranquilidade tem uma rede de distribuição com mais de 1.800 pontos de venda, 80 corretores, 1.400 agentes multimarca e 400 agentes exclusivos.

Lusa
  • Dijsselbloem mostra algum arrependimento mas recusa demitir-se
    2:40

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas escusa-se a comentar essa possibilidade. Para já, o holandês não se demite do cargo. Esta quinta-feira ouviu as críticas dos eurodeputados no Parlamento Europeu.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.