sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas já foi notificada sobre OPA do Caixabank ao BPI

A Comissão Europeia já recebeu a notificação da Oferta Pública de Aquisição (OPA) do Caixabank sobre o BPI, tendo agora até maio para se pronunciar sobre a operação.

© Hugo Correia / Reuters

Segundo consta no portal da Direcção-Geral da Concorrência, que tem de dar 'luz verde' à operação, a notificação sobre a OPA foi feita esta terça-feira, 07 de abril, devendo haver uma decisão no máximo a 13 de maio.

A notificação à Comissão Europeia faz parte dos procedimentos normais neste tipo de operações, de modo a Bruxelas poder avaliar o impacto da operação no mercado e na concorrência. Neste caso, para o avanço do processo é necessária uma decisão de não oposição de Bruxelas.

Em fevereiro, o catalão CaixaBank, maior acionista do BPI, com 44,1% do capital, anunciou a intenção de lançar uma OPA sobre o banco liderado por Fernando Ulrich.

Segundo o anúncio preliminar, o Caixabank condiciona a oferta à eliminação do limite de 20% dos direitos de voto atualmente existente no BPI (apesar dos 44% de capital social que detém, o Caixabank vota apenas com 20%) e a que a oferta supere os 50% do capital.

O CaixaBank propõe adquirir a maioria do capital do BPI por 1,329 euros por ação.

O banco catalão é o maior acionista do BPI, contando com quatro membros no Conselho de Administração, seguindo-se a empresária angolana Isabel dos Santos, através da Santoro, com 18,6% (que propôs uma eventual fusão entre o BPI e BCP) e o Grupo Allianz, com 8,4%.



Lusa
  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.