sicnot

Perfil

Economia

Portugal aprovado como fundador do novo banco internacional proposto pela China

Portugal é um dos 57 membros fundadores do novo banco internacional proposto pela China, o Asian Infrastructure Investment Bank (AIIB), anunciou hoje o ministério chinês das Finanças.

Ministro das Finanças da China na cerimónia de fundação do Asian Infrastructure Investment Bank (Reuters/ Arquivo)

Ministro das Finanças da China na cerimónia de fundação do Asian Infrastructure Investment Bank (Reuters/ Arquivo)

© POOL New / Reuters

Visto inicialmente em Washington como um desafio à ordem financeira internacional e uma espécie de concorrente do FMI (Fundo Monetário Internacional) e do Banco Mundial, o AIIB será formalmente estabelecido ainda este ano com um capital de 50.000 milhões de dólares e sede em Pequim.

 

Seis outros países que aderiram ao projeto nos últimos dias, antes de terminar o prazo (31 de março), foram também aprovados como membros fundadores da instituição: África do Sul, Azerbaijão, Islândia, Israel, Polónia e Suécia.

 

A constituição de um banco para financiar a construção de infraestruturas na Asia-Pacifico foi anunciada em outubro passado em Pequim, num proposta subscrita por 21 países da região, entre os quais a China, Índia, Indonésia, Paquistão, Qatar e Singapura.

 

Em meados de março, o Reino Unido anunciou a sua adesão ao AIIB e, a seguir, Alemanha, França, Italia, Espanha, Suíça e Noruega e outros países europeus fizeram o mesmo.

 

No conjunto, metade dos 28 membros da União Europeia fazem parte do novo banco.

 

Australia, Brasil, Egipto, Noza Zelandia e Rússia tambem aderiram.

 

 Das grandes economias mundiais, apenas os Estados Unidos e o Japão estão ausentes, o que é considerado um sucesso diplomático da China.

 

Há cerca de três semanas num debate com empresários, economistas e académicos de vários países, na ilha de Hainan, sul da China, o professor britânico Martin Jacques disse que "Os Estados Unidos estavam a "ficar cada vez mais isolados" e "deviam rever a sua postura sobre esta questão (o AIIB)".

 

O secretário norte-americano do Tesouro, Jacob Lew, deslocou-se a Pequim e, no final da visita, indicou que Washington mudara a sua posição: "Fiquei encorajado com as conversações que tive em Pequim, nas quais os líderes da China esclarecem que eles desejam satisfazer elevados padrões e acolhem parcerias".

 

  No regresso a Washington, Lew afirmou que "os Estados Unidos estão prontos a saudar novos contributos para o desenvolvimento da arquitetura internacional, incluindo o Asian Infrastruture Investment Bank, desde que essas instituições completem as instituições financeiras internacionais existentes e partilhem o forte empenhamento da comunidade internacional num genuíno processo de decisão multilateral e melhorem os padrões e garantias dos empréstimos".

 

 Estatísticas citadas na imprensa chinesa indicam que nesta década, a Ásia-Pacífico precisará de investir 8.000.000.000.000 de dólares (8 biliões) para melhorar as suas infraestruturas.

 

 O AIIB "é uma iniciativa aberta à participação de todos os países" e irá "promover a complementaridade e coordenação com outras instituições financeiras multinacionais como o Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB) e o Banco Mundial", disse o Presidente chinês, Xi Jinping.

 

 Entre os primeiros 21 proponentes do AIIB figuram ainda o Bangladesh, Birmânia, Brunei, Cambodja, Cazaquistão, Filipinas, Kuwait, Laos, Malásia, Mongólia, Nepal, Omã, Sri Lanka, Tailândia e Vietname.


Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46