sicnot

Perfil

Economia

Antigo diretor-geral do FMI detido em Madrid

O antigo diretor-geral do FMI foi detido, esta tarde, em Madrid. Rodrigo Rato é suspeito dos crimes de branqueamento de capitais, fraude e apropriação indevida de bens.

© Sergio Perez / Reuters

De acordo com a imprensa espanhola, a detenção foi feita na sequência de uma busca das autoridades tributárias espanholas à casa onde residia em Madrid. Rato terá aproveitado a amnistia fiscal de 2012 para regularizar o património, numa altura em que já estaria a ser investigado por branqueamento de capitais. 

Além de ter sido diretor-geral do FMI, Rodrigo Rato foi também ministro da Economia e vice-presidente do Governo espanhol, entre 1996 e 2004, nos Executivos de José Maria Aznar.

De 2010 a 2012 foi presidente do Bankia - o banco que já no inicio deste ano pediu uma investigação externa a alegadas irregularidades, nas remunerações de antigos administradores. Em paralelo, está também implicado num processo na justiça espanhola pelo suposto gasto de mais de 15 milhões de euros, em despesas, quando estava à frente do banco.
  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46