sicnot

Perfil

Economia

Greve dos trabalhadores da Estradas de Portugal sem efeitos no funcionamento da empresa

O impacto da greve de 24 horas dos trabalhadores da Estradas de Portugal (EP) "é nulo" e, ao início da manhã, estavam todos os serviços a funcionar, nomeadamente o Centro de Controlo de Tráfego, adiantou uma fonte da empresa.

Em comunicado enviado ao início da manhã, a EP informa que o impacto da greve na atividade da empresa é nulo, encontrando-se todos os serviços a funcionar na sua plenitude, nomeadamente o Centro de Controlo de Tráfego.

De acordo com a EP, o Centro de Controlo de Tráfego "continua a prestar todas as informações de trânsito aos seus clientes e as Unidades Móveis, que durante toda a noite patrulharam as estradas, prestaram assistência aos automobilistas".

A greve nos trabalhadores da EP foi convocada pela Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, para a fazer coincidir com "a luta" dos trabalhadores da Refer, que também paralisam.

A agência Lusa tentou, sem sucesso, obter informações sobre a adesão à greve junto da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas Sociais.

A greve de hoje abrange trabalhadores de cinco empresas -- CP, CP Carga, Refer, EMEF e Estradas de Portugal (EP), que contestam a privatização da CP Carga e da empresa de manutenção ferroviária, a fusão da EP com a Refer e a concessão de linhas da CP.

Os trabalhadores contestam a privatização da CP Carga e da empresa de manutenção ferroviária, a fusão da EP com a Refer e a concessão de linhas da CP.

Uma fonte da CP - Comboios de Portugal disse hoje à Lusa que apenas 29 dos 62 comboios programados circularam entre as 00:00 e as 06:00 de hoje devido à greve convocada por diversas organizações sindicais ligadas ao transporte ferroviário.

"Dos 62 comboios programados em todo o país, 24 são de serviços mínimos e os restantes cinco fizeram-se a mais", disse à Lusa a porta-voz da CP, Ana Portela.

O coordenador da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS), José Manuel Oliveira, adiantou à Lusa que a greve está a afetar a circulação de comboios, estimando uma adesão elevada dos trabalhadores.

"Praticamente em todo o país, quer na CP, quer na CP Carga e na Refer, verificou-se que só estão a circular os [comboios] de serviços mínimos. A adesão à greve é elevada", disse.

Na passada quinta-feira, o Governo aprovou em Conselho de Ministros a fusão da Estradas de Portugal e da Refer na Infraestruturas de Portugal, que será uma realidade a 01 de maio ou a 01 de junho, dependendo da promulgação do diploma pela Presidência da República. 

Duas semanas antes, o Governo tinha aprovado os processos de privatização da CP Carga e da EMEF, que deverão estar concluídas até ao final da legislatura, depois de um longo processo negocial com Bruxelas sobre as ajudas do Estado às duas empresas.

Em comunicado, a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais salientou que o Governo e o Conselho de Administração conjunto EP,SA/REFER,EPE, "continuam sem dar quaisquer reais garantias quanto ao futuro dos trabalhadores da EP, sejam eles os do quadro de pessoal transitório, sejam os do contrato individual de trabalho.



Lusa
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.