sicnot

Perfil

Economia

Rússia ultrapassou o "pico" da crise económica, garante Putin

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou hoje que o país já ultrapassou o pior da crise económica provocada pelas sanções económicas ocidentais e pela queda do preço do petróleo.

© Ilya Naymushin / Reuters

"O rublo estabilizou e fortaleceu-se", disse Putin, na entrevista televisiva anual em que responde a perguntas de cidadãos russos. 

"Os especialistas acreditam que ultrapassámos o pico dos problemas", acrescentou.

Depois da rápida desvalorização do rublo no final do ano passado, a moeda russa recuperou, atingindo o valor mais alto dos últimos cinco meses, num contexto de apaziguamento do conflito no leste da Ucrânia graças ao acordo de cessar-fogo de 20 de fevereiro e de estabilização do preço do petróleo.

Na quarta-feira, o rublo ficou abaixo da marca "psicológica" dos 50 rublos por dólar, o valor mais alto registado desde novembro.

Vladimir Putin elogiou o plano do Governo para reavivar a economia e desvalorizou problemas como a inflação, o desemprego e a fuga de capitais (estimada em mais de 100 mil milhões em 2014), assegurando que não são "catastróficos".

O Presidente russo tinha afirmado anteriormente que a economia russa precisaria de dois anos para voltar aos níveis anteriores à crise, mas hoje afirmou que a recuperação pode ocorrer num período mais curto.

Advertiu contudo os russos de que não devem esperar um levantamento das sanções ocidentais para breve. "Trata-se de usar tudo isto a nosso favor", disse.

A Rússia é alvo de sanções económicas impostas pela União Europeia e pelos Estados Unidos desde a anexação da península ucraniana da Crimeia, há um ano, e pelo apoio aos separatistas do leste que combatem as forças militares ucranianas.

Putin considerou, no entanto, que as sanções não têm a ver com o conflito na Ucrânia, visando antes conter o desenvolvimento da Rússia.

"Disse aos empresários que, por agora, não é de esperar o levantamento das sanções, porque não se trata de uma questão meramente política. Para alguns dos nossos parceiros é uma questão de interação estratégica para conter o desenvolvimento da Rússia", disse.

Lusa
  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.