sicnot

Perfil

Economia

Trib. Contas acompanha "muito de perto" processo relativo ao BES

O presidente do Tribunal de Contas, Guilherme d'Oliveira Martins, disse hoje que a instituição acompanha "muito de perto todo este processo" relativo ao BES e ao Grupo Espírito Santo, mas escusou-se a comentar o relatório preliminar parlamentar.

(SIC)

(SIC)

"Nenhum comentário, até porque o Tribunal de Contas (TdC) tem jurisdição sobre o Fundo de Resolução e está a acompanhar muito de perto todo este processo", disse, quando questionado pela agência Lusa, à margem de uma aula aberta que ministrou hoje numa escola de Évora.

Assim, sobre o relatório preliminar da comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES), que está hoje a ser apresentado na Assembleia da República, Guilherme d'Oliveira Martins considerou ser "prematuro qualquer comentário" da sua parte, pois o TdC "terá a última palavra neste domínio" do BES.

Guilherme d'Oliveira Martins, na qualidade de presidente do Conselho de Prevenção da Corrupção, falava à Lusa à margem da aula aberta que deu hoje na Escola Secundária Severim de Faria, em Évora.

A iniciativa, intitulada "Prevenir o Futuro", foi organizada pelo Conselho de Prevenção da Corrupção em parceria com a Rede de Bibliotecas Escolares do Ministério da Educação e Ciência, destinando-se aos alunos das várias escolas secundárias da cidade alentejana.

O relatório preliminar da comissão de inquérito sobre o BES e o GES esta hoje a ser apresentado pelo relator Pedro Saraiva (PSD), numa sessão que durará várias horas e na qual o deputado será questionado pelos diferentes partidos em dois blocos de perguntas.

Posteriormente, e até dia 23, serão apresentadas as propostas de alteração dos partidos ao relatório preliminar, e no dia 29 de abril o texto final terá de estar pronto.

A comissão foi proposta pelo PCP - e aprovada por unanimidade dos partidos - e teve a primeira audição a 17 de novembro do ano passado, tendo sido escutadas dezenas de personalidades, entre membros da família Espírito Santo, gestores das empresas do grupo, reguladores, supervisores, auditores e agentes políticos, entre outros.

O objetivo do trabalho dos parlamentares é "apurar as práticas da anterior gestão do BES, o papel dos auditores externos e as relações entre o BES e o conjunto de entidades integrantes do universo do GES, designadamente os métodos e veículos utilizados pelo BES para financiar essas entidades".

 
Lusa
  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.