sicnot

Perfil

Economia

Hospitais podem poupar 45 milhões/ano com reutilização de dispositivos médicos

A Ordem dos Médicos defende uma maior reutilização de dispositivos médicos e cirúrgicos de uso único, considerando que são seguros para doentes e profissionais e que podem permitir poupanças anuais de 45 milhões de euros aos hospitais públicos. 

© Keith Bedford / Reuters

"A Ordem pretende que nos setores em que seja possível reduzir os custos sem pôr em causa a qualidade que isso seja efetivado. Um dos setores tem a ver com o reprocessamento de dispositivos médicos. É possível alargar o âmbito do reprocessamento, reduzindo os custos da saúde e sem pôr em causa a qualidade", afirmou o bastonário dos Médicos à agência Lusa.

 

A Ordem vai realizar na quinta-feira um debate sobre a reutilização dos dispositivos médicos (como máquinas de sutura, tesouras de corte ou dispositivos cardíacos) considerando que esta prática em Portugal ainda é "muito restrita e está condicionada por um jogo complexo de interesses".

 

"Há ainda um grande receio e uma falta de debate, condicionado por interesses, na questão do reprocessamento", referiu o bastonário José Manuel Silva.

 

Em maio de 2013, o Ministério da Saúde publicou em Diário da República um despacho sobre os dispositivos médicos de uso único reprocessados, com o objetivo de "estabelecer condições adequadas de segurança que permitam alcançar poupanças indispensáveis".

 

Na altura, a Associação dos Enfermeiros de Sala de Operações em Portugal contestou este reprocessamento de dispositivos de dose única, considerando-o um "atentado à saúde pública".

 

O bastonário salientou que os médicos estão convictos de "que é possível alargar o reprocessamento, mantendo ou até melhorando a qualidade", com o argumento de que há razões técnicas e científicas para afirmar a segurança do processo.

 

"Nós atualmente transplantamos órgãos, não há nenhuma razão técnica que possa limitar, em circunstâncias bem definidas, a reutilização/reprocessamento de dispositivos médicos", declarou José Manuel Silva.

 

 O reprocessamento pode até trazer mais segurança, insiste o bastonário, dado que tem uma "garantia de funcionamento exatamente pelo facto de [o dispositivo] já ter sido usado e demonstrado que não falha".

 

Para a Ordem, a decisão de utilização única de um dispositivo, que geralmente cabe à própria indústria, "visa mais os interesses de quem o produz do que motivações técnicas".

 

Depois de uma utilização dos dispositivos, eles são enviados para reprocessamento numa fábrica que tem de estar certificada. São retirados todos os contaminantes, depois os dispositivos são limpos, esterilizados, selados e passíveis de rastreabilidade.

 

Esta prática é já seguida, por exemplo, no hospital de São João, no Porto.

 

O reprocessamento de dispositivos médicos e cirúrgicos de uso único é corrente noutros países, como o caso dos Estados Unidos, onde 60% dos seus cinco mil hospitais já recorrem a este método.

 

 

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.