sicnot

Perfil

Economia

António Mexia lidera EDP por mais três anos "enquanto injetar energia"

António Mexia afirmou hoje que vai continuar como presidente executivo da EDP "enquanto for capaz de injetar a energia necessária" e os acionistas quiserem.

António Mexia (Reuters/Arquivo)

António Mexia (Reuters/Arquivo)

REUTERS

O líder da elétrica, que falava no final da assembleia-geral da EDP, realizada na nova sede, na avenida 24 de julho, em Lisboa, foi hoje reconduzido por mais três anos à frente da empresa.

A recondução de António Mexia foi aprovada com 99,63% de votos favoráveis. 

António Mexia, que está no cargo desde 2007, disse que "o limite para estar na EDP é a capacidade de conseguir entregar compromissos" num setor que está em mudança.

O atual presidente executivo vai para o terceiro mandato como presidente executivo para o triénio 2015-2017, após o acionista maioritário, a China Three Gorges (CTG), ter tomado o controlo da empresa portuguesa com uma participação de 21,35%. 

Nuno Almeida Alves, João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, António Martins da Costa, João Marques da Cruz, Miguel Stilwell, Miguel Setas e Rui Lopes Teixeira serão os membros do conselho de administração executivo para o próximo mandato.

No conselho-geral e de supervisão da empresa, Eduardo Catroga continuará na presidência, mas desta vez sob proposta dos chineses da CTG. A vice-presidência será de Luís Amado, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de José Sócrates e presidente do Banif. 

A assembleia-geral da EDP aprovou a eleição do revisor oficial de contas e do respetivo suplente, da comissão de vencimentos e do conselho de ambiente e sustentabilidade para o mandato relativo ao triénio 2015-2017.

Foram também aprovadas as contas individuais e consolidadas de 2014 e a proposta de aplicação de resultados do exercício de 2014, bem como a política de remuneração de todos os membros dos órgãos sociais da empresa.

A EDP fechou o ano passado com lucros atribuíveis aos acionistas de 1.040 milhões de euros, mais 4% do que em 2013, um ano que António Mexia, presidente executivo da EDP, classificou na apresentação de resultados como "de resiliência" em que houve impactos positivos, "como maior hidraulicidade, boa gestão e controle de custos" e impactos negativos, como "os custos regulatórios e maior impacto dos impostos".

Lusa
  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.