sicnot

Perfil

Economia

António Mexia lidera EDP por mais três anos "enquanto injetar energia"

António Mexia afirmou hoje que vai continuar como presidente executivo da EDP "enquanto for capaz de injetar a energia necessária" e os acionistas quiserem.

António Mexia (Reuters/Arquivo)

António Mexia (Reuters/Arquivo)

REUTERS

O líder da elétrica, que falava no final da assembleia-geral da EDP, realizada na nova sede, na avenida 24 de julho, em Lisboa, foi hoje reconduzido por mais três anos à frente da empresa.

A recondução de António Mexia foi aprovada com 99,63% de votos favoráveis. 

António Mexia, que está no cargo desde 2007, disse que "o limite para estar na EDP é a capacidade de conseguir entregar compromissos" num setor que está em mudança.

O atual presidente executivo vai para o terceiro mandato como presidente executivo para o triénio 2015-2017, após o acionista maioritário, a China Three Gorges (CTG), ter tomado o controlo da empresa portuguesa com uma participação de 21,35%. 

Nuno Almeida Alves, João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, António Martins da Costa, João Marques da Cruz, Miguel Stilwell, Miguel Setas e Rui Lopes Teixeira serão os membros do conselho de administração executivo para o próximo mandato.

No conselho-geral e de supervisão da empresa, Eduardo Catroga continuará na presidência, mas desta vez sob proposta dos chineses da CTG. A vice-presidência será de Luís Amado, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de José Sócrates e presidente do Banif. 

A assembleia-geral da EDP aprovou a eleição do revisor oficial de contas e do respetivo suplente, da comissão de vencimentos e do conselho de ambiente e sustentabilidade para o mandato relativo ao triénio 2015-2017.

Foram também aprovadas as contas individuais e consolidadas de 2014 e a proposta de aplicação de resultados do exercício de 2014, bem como a política de remuneração de todos os membros dos órgãos sociais da empresa.

A EDP fechou o ano passado com lucros atribuíveis aos acionistas de 1.040 milhões de euros, mais 4% do que em 2013, um ano que António Mexia, presidente executivo da EDP, classificou na apresentação de resultados como "de resiliência" em que houve impactos positivos, "como maior hidraulicidade, boa gestão e controle de custos" e impactos negativos, como "os custos regulatórios e maior impacto dos impostos".

Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.