sicnot

Perfil

Economia

António Mexia lidera EDP por mais três anos "enquanto injetar energia"

António Mexia afirmou hoje que vai continuar como presidente executivo da EDP "enquanto for capaz de injetar a energia necessária" e os acionistas quiserem.

António Mexia (Reuters/Arquivo)

António Mexia (Reuters/Arquivo)

REUTERS

O líder da elétrica, que falava no final da assembleia-geral da EDP, realizada na nova sede, na avenida 24 de julho, em Lisboa, foi hoje reconduzido por mais três anos à frente da empresa.

A recondução de António Mexia foi aprovada com 99,63% de votos favoráveis. 

António Mexia, que está no cargo desde 2007, disse que "o limite para estar na EDP é a capacidade de conseguir entregar compromissos" num setor que está em mudança.

O atual presidente executivo vai para o terceiro mandato como presidente executivo para o triénio 2015-2017, após o acionista maioritário, a China Three Gorges (CTG), ter tomado o controlo da empresa portuguesa com uma participação de 21,35%. 

Nuno Almeida Alves, João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, António Martins da Costa, João Marques da Cruz, Miguel Stilwell, Miguel Setas e Rui Lopes Teixeira serão os membros do conselho de administração executivo para o próximo mandato.

No conselho-geral e de supervisão da empresa, Eduardo Catroga continuará na presidência, mas desta vez sob proposta dos chineses da CTG. A vice-presidência será de Luís Amado, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de José Sócrates e presidente do Banif. 

A assembleia-geral da EDP aprovou a eleição do revisor oficial de contas e do respetivo suplente, da comissão de vencimentos e do conselho de ambiente e sustentabilidade para o mandato relativo ao triénio 2015-2017.

Foram também aprovadas as contas individuais e consolidadas de 2014 e a proposta de aplicação de resultados do exercício de 2014, bem como a política de remuneração de todos os membros dos órgãos sociais da empresa.

A EDP fechou o ano passado com lucros atribuíveis aos acionistas de 1.040 milhões de euros, mais 4% do que em 2013, um ano que António Mexia, presidente executivo da EDP, classificou na apresentação de resultados como "de resiliência" em que houve impactos positivos, "como maior hidraulicidade, boa gestão e controle de custos" e impactos negativos, como "os custos regulatórios e maior impacto dos impostos".

Lusa
  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.