sicnot

Perfil

Economia

CGTP defende que propostas macroeconómicas do PS não são alternativa

CGTP defende que propostas macroeconómicas do PS não são alternativa

A CGTP diz que o cenário macroeconómico apresentado pelo PS não é uma alternativa à atual política de Direita. A central sindical foi recebida esta quarta-feira por António Costa, no Largo do Rato, para discutir o estudo encomendado pelo PS. Arménio Carlos diz que pequenos ajustamentos não chegam.

  • PS propõe descida da TSU para os trabalhadores

    Economia

    O cenário macroeconómico do PS prevê uma redução das contribuições dos trabalhadores para a Segurança Social de 11% para 7% até 2018, procedendo-se em 2019 à reposição até ao valor atual. Apresentada hoje, a proposta socialista passa também pela redução do IVA da restauração para 13% em 2016 e pela  eliminação gradual da sobretaxa de IRS em duas fases, 50% no próximo ano e 50% em 2017. Quanto aos salários da função pública, prevê a reposição em 40% em janeiro de 2016 e da parte restante em 2017, procedendo-se em 2018 ao descongelamento de carreiras.

  • "É possível fazer diferente", diz Costa
    1:33

    Economia

    O secretário-geral do PS diz que as medidas hoje apresentadas vão permitir um crescimento médio de 2,6% nos proximos quatro anos e um défice de 0,9% no final da proxima legislatura. António Costa sublinha que o relatório do cenário macroeconómico do PS não substitui o programa de Governo, mas prova desde já que há uma alternativa à austeridade.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.