sicnot

Perfil

Economia

Pequim multa fornecedor da McDonald's em 566 mil euros por poluição

O fornecedor de batatas fritas da McDonald's na China foi alvo de uma multa recorde de 3,9 milhões de yuan (cerca de 566 mil euros) por poluir a água, de acordo com a agência chinesa Xinhua.

© Claro Cortes / Reuters

A multa contra a Beijing Simplot Food Processing é a maior alguma vez reclamada pela cidade de Pequim em casos de poluição.

A Beijing Simplot Food Processing é uma 'joint venture' entre a norte-americana J.R. Simplot Company, a McDonald's e a Empresa Geral de Agricultura, Indústria e Comércio de Pequim, diz a Xinhua. 

Estabelecida em 1992, a Beijing Simplot produz batatas fritas e 'hash browns' para a McDonald's, fornecendo-os também a "outros clientes da Ásia Oriental", afirma a Xinhua.

A multa surge numa altura em que a China está a endurecer a sua posição face à poluição atmosférica, da água e do solo devido ao forte descontentamento popular.

Uma nova lei ambiental - a primeira em 25 anos - foi implementada este ano, impondo sanções mais duras e apelando à denúncia de quem a violasse. 

De acordo com a Xinhua, os inspetores descobriram em novembro que o indicador relativo às águas residuais da Beijing Simplot excedia os limites, o que levou as autoridades a bloquearem imediatamente os canos, ordenando a empresa a tratar a água.

  • Vitória de Guimarães na Áustria em busca do apuramento na Liga Europa
    1:47
  • Árbitros recuam e vão apitar jogos do próximo fim de semana

    Desporto

    Os árbitros recuaram esta quarta-feira na intenção de não comparecer nos jogos do próximo fim de semana. Depois de na terça-feira a maioria dos juízes terem apresentado um pedido de dispensa dos jogos da 12.ª jornada do campeonato, esta quarta-feira adiaram a decisão após uma reunião com o Conselho de Arbitragem.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.