sicnot

Perfil

Economia

Pequim multa fornecedor da McDonald's em 566 mil euros por poluição

O fornecedor de batatas fritas da McDonald's na China foi alvo de uma multa recorde de 3,9 milhões de yuan (cerca de 566 mil euros) por poluir a água, de acordo com a agência chinesa Xinhua.

© Claro Cortes / Reuters

A multa contra a Beijing Simplot Food Processing é a maior alguma vez reclamada pela cidade de Pequim em casos de poluição.

A Beijing Simplot Food Processing é uma 'joint venture' entre a norte-americana J.R. Simplot Company, a McDonald's e a Empresa Geral de Agricultura, Indústria e Comércio de Pequim, diz a Xinhua. 

Estabelecida em 1992, a Beijing Simplot produz batatas fritas e 'hash browns' para a McDonald's, fornecendo-os também a "outros clientes da Ásia Oriental", afirma a Xinhua.

A multa surge numa altura em que a China está a endurecer a sua posição face à poluição atmosférica, da água e do solo devido ao forte descontentamento popular.

Uma nova lei ambiental - a primeira em 25 anos - foi implementada este ano, impondo sanções mais duras e apelando à denúncia de quem a violasse. 

De acordo com a Xinhua, os inspetores descobriram em novembro que o indicador relativo às águas residuais da Beijing Simplot excedia os limites, o que levou as autoridades a bloquearem imediatamente os canos, ordenando a empresa a tratar a água.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.