sicnot

Perfil

Economia

Senhorios podem entregar recibos das rendas em papel até 1 de novembro

 Os senhorios podem continuar a entregar os recibos das rendas em papel até 01 de novembro, uma vez que o Governo adiou a obrigação de emitir recibos eletrónicos, que entrava em vigor em maio.

O Executivo diz que esta perda será compensada pela criação da bolsa de despesas familiares, onde estes encargos podem ser incluídos.

O Executivo diz que esta perda será compensada pela criação da bolsa de despesas familiares, onde estes encargos podem ser incluídos.

Reuters

Numa informação prestada hoje à Lusa, fonte do Ministério das Finanças informa que, "não obstante a aplicação já estar operacional, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais assinou hoje um despacho que prorroga até dia 01 de novembro a obrigação de emissão de recibo eletrónico de renda através do Portal das Finanças, de forma a permitir um tempo de adaptação dos contribuintes às novas funcionalidades".

Isto quer dizer que os senhorios que queiram continuar a emitir recibos em papel relativos às rendas das casas que arrendam podem fazê-lo sem serem sujeitos ao pagamento de coimas até 01 de novembro, mas os que quiserem passar a emitir estes recibos através da internet também já têm condições para o fazer.

As novas regras sobre recibos eletrónicos foram criadas com a reforma do IRS, em vigor desde janeiro de 2015, mas só se soube como seriam aplicadas numa portaria publicada no final de abril.

O diploma estipulou que os recibos eletrónicos serão obrigatórios sempre que os rendimentos de categoria F do ano anterior -- ou os que o proprietário estime vir a receber no próprio ano, no caso de novos contratos - forem superiores a duas vezes o Indexante aos Apoios Sociais (IAS), ou seja, 838,44 euros, portanto cerca de 70 euros mensais.

Outra exceção prevista é aplicada aos senhorios com idade igual ou superior a 65 anos, que podem optar por não emitir os recibos eletronicamente.

Quem não passar o recibo eletrónico fica obrigado a entregar uma declaração anual de rendas, a entregar nas finanças até 31 de janeiro do ano seguinte, em papel ou pela internet.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação Lisbonense de Proprietários, Menezes Leitão, disse ter ficado "bastante satisfeito" com o facto de as preocupações da associação "terem sido atendidas", dando "mais um prazo para as pessoas se poderem adaptar".

O responsável adiantou que "muitos [senhorios] conheciam, mas não sabiam como colocar" o recibo no Portal das Finanças.

A associação lançou na semana passada um serviço especializado para dar resposta ao número elevado de dúvidas relacionadas com a emissão do recibo eletrónico.

Menezes Leitão destacou ainda a "grande afluência" que tinham as sessões de esclarecimento da associação, representativo das dúvidas dos proprietários.

Com o adiamento, "consegue-se ter mais facilidade na adaptação e em falar com os associados", rematou.


Lusa

  • Ministra tem condições para ficar?
    1:57
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • José teve de comprar um gerador para continuar a dar de beber às galinhas
    2:10
  • A primeira moção de censura ao fim de quase dois anos
    1:42

    País

    O CDS-PP avançou com uma moção de censura ao Governo, perante o que chama de falha do Governo na proteção das pessoas. O PSD apoia a iniciativa. António Costa fala num ato natural da democracia. Esta é a primeira moção de censura que o Governo socialista enfrenta ao fim de quase dois anos de mandato.

  • "Agora é tempo de decidir e executar"
    1:27

    País

    O primeiro-ministro reuniu-se esta terça-feira com os autarcas das zonas mais afetadas pelos incêndios e visitou os feridos, que continuam internados no Hospital de Coimbra. António Costa diz que o tempo das respostas começa agora.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.