sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas espera menos crescimento que o Governo para 2016

A Comissão Europeia espera que Portugal cresça 1,6% este ano, em linha com a previsão governamental, mas está menos otimista do que o Executivo para 2016, prevendo um crescimento de 1,8%, contra os 2% antecipados pelo Governo. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Nas previsões económicas da primavera, hoje publicadas, os técnicos europeus antecipam que o PIB real cresça 1,6% em 2015, uma previsão que confirma a apresentada em fevereiro e que coincide com a do Governo.


Para 2016, Bruxelas antecipa que a economia portuguesa cresça 1,8%, uma décima de ponto percentual acima do que o antecipado nas últimas projeções económicas mas dois pontos abaixo da estimativa do Governo, que espera um crescimento de 2% no próximo ano.

Bruxelas afirma que o crescimento económico está a "ganhar impulso" e que a procura doméstica deverá ser "o principal motor do crescimento", ainda que "o impacto negativo das exportações líquidas se desvaneça ao longo do horizonte da previsão".


A Comissão Europeia espera que as exportações acelerem para um crescimento de 5 a 6% este ano e no próximo, devido às previsões de crescimento positivas dos principais parceiros comerciais de Portugal e ao enfraquecimento do euro, e antecipa que as importações desacelerem em 2015 mas que recuperem em 2016, devido à "forte procura interna".


Quanto ao mercado de trabalho, Bruxelas prevê que, depois de uma criação de emprego "relativamente forte" em 2014, se verifique uma desaceleração para os 0,6% em 2015 e para os 0,7% em 2016. 


A taxa de desemprego deverá ficar nos 13,4% este ano e nos 12,6% no próximo, números que mantêm a previsão avançada por Bruxelas em fevereiro.


Depois de ter acelerado para os 0,4% em março, a inflação deverá continuar baixa nos próximos meses, tendo em conta os baixos preços da energia, mas a Comissão espera que haja "pressões em alta" no final de 2015 decorrentes dos aumentos salariais moderados e do baixo valor do euro.



Lusa
  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida