sicnot

Perfil

Economia

Cenário macroeconómico do PS desatualizado com novas contas de Bruxelas

O cenário macroeconómico apresentado pelo grupo de trabalho do PS ficou desatualizado com as previsões económicas da Comissão Europeia hoje apresentadas, uma vez que os socialistas assumiram como base o cenário europeu conhecido em fevereiro. 

© Yves Herman / Reuters

A 21 de abril, os 12 economistas mandatados pelo PS apresentaram o relatório 'Uma década para Portugal' em que, partindo do cenário macroeconómico da Comissão Europeia, conhecido a 5 de fevereiro, apresentaram as suas próprias projeções para a economia portuguesa até 2019, considerando o impacto de uma série de medidas também incluídas no documento.

No entanto, hoje Bruxelas atualizou e melhorou as previsões para a evolução da economia portuguesa para 2015 e para 2016, o que quer dizer que os números que serviram de base aos socialistas são agora mais pessimistas do que os da Comissão Europeia, uma vez que o documento previa para 2015 mais défice e mais dívida do que os técnicos europeus agora anteveem.

Para 2015, Bruxelas manteve hoje a previsão de crescimento da economia portuguesa, nos 1,6%, mas melhorou ligeiramente as projeções para o défice (para os 3,1% do Produto Interno Bruto, contra os 3,2% anteriormente estimados) e para a dívida pública (dos 124,5% calculados em fevereiro para os 124,4%).

Olhando para as projeções de 2016, os socialistas estão mais otimistas do que Bruxelas quanto ao cenário macroeconómico, antecipando mais crescimento e menos desemprego, mas estimam que as finanças públicas sejam piores, com mais défice e mais dívida pública.

O grupo de trabalho liderado por Mário Centeno prevê que, em 2016, Portugal cresça 2,4%, bastante acima dos 1,8% estimados agora por Bruxelas, e que o desemprego seja de 12,2%, contra os 12,6% antecipados pela Comissão.

Já quanto às finanças públicas, os socialistas antecipam que o défice orçamental seja de 3,2% em 2015 e de 3% em 2016, acima das projeções de Bruxelas, que apontam para um défice de 3,1% este ano e de 2,8% no próximo.

Isto significa que, tendo o défice acima dos 3% definido pelas regras europeias tal como os socialistas assumem nos seus cálculos que já consideram o impacto das medidas que integram o relatório, em 2016, Portugal continuará no Procedimento dos Défices Excessivos.

Relativamente à evolução da dívida pública, o PS estima que seja de 130,2% este ano e que caia para os 128,8% em 2016, ao passo que os técnicos europeus esperam que seja de 124,4% em 2015 e de 123% no próximo ano.

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.