sicnot

Perfil

Economia

Cenário macroeconómico do PS desatualizado com novas contas de Bruxelas

O cenário macroeconómico apresentado pelo grupo de trabalho do PS ficou desatualizado com as previsões económicas da Comissão Europeia hoje apresentadas, uma vez que os socialistas assumiram como base o cenário europeu conhecido em fevereiro. 

© Yves Herman / Reuters

A 21 de abril, os 12 economistas mandatados pelo PS apresentaram o relatório 'Uma década para Portugal' em que, partindo do cenário macroeconómico da Comissão Europeia, conhecido a 5 de fevereiro, apresentaram as suas próprias projeções para a economia portuguesa até 2019, considerando o impacto de uma série de medidas também incluídas no documento.

No entanto, hoje Bruxelas atualizou e melhorou as previsões para a evolução da economia portuguesa para 2015 e para 2016, o que quer dizer que os números que serviram de base aos socialistas são agora mais pessimistas do que os da Comissão Europeia, uma vez que o documento previa para 2015 mais défice e mais dívida do que os técnicos europeus agora anteveem.

Para 2015, Bruxelas manteve hoje a previsão de crescimento da economia portuguesa, nos 1,6%, mas melhorou ligeiramente as projeções para o défice (para os 3,1% do Produto Interno Bruto, contra os 3,2% anteriormente estimados) e para a dívida pública (dos 124,5% calculados em fevereiro para os 124,4%).

Olhando para as projeções de 2016, os socialistas estão mais otimistas do que Bruxelas quanto ao cenário macroeconómico, antecipando mais crescimento e menos desemprego, mas estimam que as finanças públicas sejam piores, com mais défice e mais dívida pública.

O grupo de trabalho liderado por Mário Centeno prevê que, em 2016, Portugal cresça 2,4%, bastante acima dos 1,8% estimados agora por Bruxelas, e que o desemprego seja de 12,2%, contra os 12,6% antecipados pela Comissão.

Já quanto às finanças públicas, os socialistas antecipam que o défice orçamental seja de 3,2% em 2015 e de 3% em 2016, acima das projeções de Bruxelas, que apontam para um défice de 3,1% este ano e de 2,8% no próximo.

Isto significa que, tendo o défice acima dos 3% definido pelas regras europeias tal como os socialistas assumem nos seus cálculos que já consideram o impacto das medidas que integram o relatório, em 2016, Portugal continuará no Procedimento dos Défices Excessivos.

Relativamente à evolução da dívida pública, o PS estima que seja de 130,2% este ano e que caia para os 128,8% em 2016, ao passo que os técnicos europeus esperam que seja de 124,4% em 2015 e de 123% no próximo ano.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.