sicnot

Perfil

Economia

OPEP revê ligeiramente em alta a procura de petróleo em 2015

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reviu hoje em alta ligeira a sua previsão de procura de crude para 2015 e indicou que o mercado mundial continua a ter uma oferta excessiva, no relatório mensal divulgado hoje. 

reuters

A organização, responsável por 30% da produção mundial, aumentou em 60 mil barris por dia a sua previsão de procura para este ano, o que terá apenas um efeito marginal no volume global médio da procura que é de 92,5 milhões de barris por dia, segundo as previsões.

A OPEP, que realiza uma reunião ministerial no próximo dia 5 de junho, fixou uma quota de produção de 30 milhões de barris por dia, mas em abril esta quota foi ultrapassada e fixou-se em 30,84 milhões de barris por dia, segundo o relatório.

Apesar de haver um excedente mundial da ordem de 1 milhão de barris por dia, a OPEP recusa-se a um ajustamento, uma posição que tem sido defendida pela Arábia Saudita.

Na segunda-feira, o ex-ministro do petróleo do Qatar Abdallah al-Attiyah considerou que a ideia de o barril de petróleo atingir 100 dólares, o nível registado antes da queda dos preços, deve ser afastada e considerou que os preços devem estabilizar em cerca de 60 ou 70 dólares.











Lusa
  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão