sicnot

Perfil

Economia

OPEP revê ligeiramente em alta a procura de petróleo em 2015

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reviu hoje em alta ligeira a sua previsão de procura de crude para 2015 e indicou que o mercado mundial continua a ter uma oferta excessiva, no relatório mensal divulgado hoje. 

reuters

A organização, responsável por 30% da produção mundial, aumentou em 60 mil barris por dia a sua previsão de procura para este ano, o que terá apenas um efeito marginal no volume global médio da procura que é de 92,5 milhões de barris por dia, segundo as previsões.

A OPEP, que realiza uma reunião ministerial no próximo dia 5 de junho, fixou uma quota de produção de 30 milhões de barris por dia, mas em abril esta quota foi ultrapassada e fixou-se em 30,84 milhões de barris por dia, segundo o relatório.

Apesar de haver um excedente mundial da ordem de 1 milhão de barris por dia, a OPEP recusa-se a um ajustamento, uma posição que tem sido defendida pela Arábia Saudita.

Na segunda-feira, o ex-ministro do petróleo do Qatar Abdallah al-Attiyah considerou que a ideia de o barril de petróleo atingir 100 dólares, o nível registado antes da queda dos preços, deve ser afastada e considerou que os preços devem estabilizar em cerca de 60 ou 70 dólares.











Lusa
  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.