sicnot

Perfil

Economia

Carga fiscal em Portugal aumentou 2% em 2014

A carga fiscal aumentou 2% no ano passado, atingindo o valor de 59,6 mil milhões de euros, o que correspondeu a cerca de 34,4% do Produto Interno Bruto (PIB), revela esta sexta-feira o Instituto nacional de Estatística (INE).

Os portugueses pagaram em impostos, em 2014, quase 35% da riqueza produzida no país. (Arquivo)

Os portugueses pagaram em impostos, em 2014, quase 35% da riqueza produzida no país. (Arquivo)

Armando Franca / AP

"Relacionando a carga fiscal com a taxa de variação nominal do PIB a preços de mercado, verifica-se que em 2014 a receita fiscal cresceu a um ritmo ligeiramente inferior ao do PIB, observando-se taxas de 2,0% e 2,2%, respetivamente", refere o INE no boletim das estatísticas de receitas fiscais, hoje divulgado. 

O aumento da carga fiscal foi influenciado pela evolução positiva dos impostos indiretos, que aumentaram 4,7%, e das contribuições sociais, que cresceram 3,3%, enquanto os impostos diretos registaram a tendência inversa ao diminuírem 2,4%.

Nos impostos diretos destaca-se um acréscimo de 1,5% no Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) e um decréscimo de 11,1% no Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC). 

Para esta redução do IRC contribui o regime de Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento (em vigor no segundo semestre de 2013), bem o Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social (RERD), que empolaram a receita destes impostos em 2013, explica o instituto

Nos indiretos, destaca-se o aumento de 7% da receita do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), e o aumento de 15,8% da receita do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). 

Pelo contrário, a receita com o imposto sobre o tabaco e com o imposto do selo diminuiu 1,1% e 2,6%, respetivamente. 

As contribuições sociais efetivas cresceram 3,3%, resultado que o INE considera ter sido influenciado por alterações orçamentais que afetaram a base de incidência, bem como pelo aumento da população empregada em 2014. 

O INE defende que o aumento das contribuições sociais efetivas das famílias está relacionado com o crescimento do emprego, com a reformulação da contribuição extraordinária de solidariedade, efetuada pelo Orçamento Retificativo que alargou a base de incidência desta contribuição, e com o impacto positivo nas contribuições devido à reversão da medida de redução das remunerações dos trabalhadores da administração pública

"O INE compara ainda carga fiscal de Portugal com a dos restantes países da Europa: "Verifica-se que Portugal continuou a apresentar uma carga fiscal (34,1%) inferior à média da UE28, que se cifrou em 39,2%. Entre 2010 e 2014, Portugal tem vindo a aproximar-se dessa média, tendo subido quatro lugares no conjunto dos países da UE28", conclui.
Lusa
  • Tudo isto circula na internet. Nada disto é verdade
    3:12
  • Peso dos salários na economia diminuiu
    2:34

    Economia

    Portugal é dos países onde o peso dos salários na economia mais diminuiu. Ou seja, os salários portugueses foram dos mais encolheram com a crise. A conclusão é da Organização Internacional do Trabalho que sublinha as implicações negativas ao nível social e económico.

  • Inaugurado Ikea de Loulé
    3:51

    Economia

    Centenas de pessoas aguardavam à porta do Ikea de Loulé para a inauguração da nova loja no Algarve, uma semana depois do acidente que matou uma trabalhadora. A cerimónia decorreu de forma sóbria, ainda que com alguma pompa e circunstância.

  • Descoberta nova espécie de tiranossauro

    Mundo

    Uma nova espécie de dinossauros predadores, um tiranossauro com uma forma incomum de evolução, foi descoberta por uma equipa internacional de cientistas, segundo um artigo científico hoje publicado pela revista Nature.