sicnot

Perfil

Economia

BNA mantém injeção semanal de divisas na banca angolana em 300 milhões de dólares

O Banco Nacional de Angola (BNA) manteve em 300 milhões de dólares (263 milhões de euros) o volume da venda semanal de divisas à banca comercial angolana, segundo dados da instituição aos quais a Lusa teve hoje acesso. 

De acordo com o relatório semanal sobre a evolução dos mercados monetário e cambial do BNA, as vendas entre 11 a 15 de maio foram concretizadas a uma taxa média de referência do mercado cambial interbancário de 110,116 kwanzas (88 cêntimos de euro) por cada dólar, renovando máximos de vários meses.

Trata-se de um valor idêntico à semana anterior, de acordo com dados do BNA compilados pela Lusa.

Durante o mês de abril, a injeção de divisas pelo BNA rondou (até) 310 milhões de dólares (270 milhões de euros) semanais, mas persistem as dificuldades de empresas e clientes no acesso a divisas nos bancos comerciais. 

O dólar norte-americano disparou mais de 12%, face ao kwanza angolano, nos últimos sete meses, acompanhando a escassez de divisas devido à quebra nas receitas petrolíferas e com reflexos no custo de vida. 

O governador do BNA, José Pedro de Morais Júnior, anunciou este mês que o executivo angolano pretende limitar o acesso a divisas, em função da quebra da cotação internacional do barril de crude, que por sua vez fez diminuir a entrada da moeda norte-americana no país.

Entretanto, cada nota de dólar continua a ser transacionada nas ruas de Luanda a mais de 150 kwanzas, sendo este um recurso devido às limitações no acesso a divisas pelo sistema bancário.

Algumas indústrias têm vindo a confirmar a redução da atividade laboral devido à falta de acesso a matéria-prima importada, tendo em conta os atrasos nos pagamentos de faturas internacionais (em divisas).

Em 2014, até ao mês de outubro, a venda de cada dólar cifrou-se sempre em menos de 100 kwanzas.

A situação reflete-se também no dia-a-dia, no aumento dos preços (reconhecido pelas autoridades angolanas), com o argumento da grande dependência angolana das importações.

Transações que são feitas em dólares e que, por isso, estarão agora mais caras, face ao kwanza, afetando nomeadamente produtos alimentares.

Os sindicatos angolanos apelaram nos últimos dias à tomada de medidas, pelo executivo, para colmatar o agravamento do custo de vida no país.

O petróleo representou cerca de 70 por cento das receitas fiscais angolanas em 2014, mas a quebra da cotação internacional do barril de crude deverá fazer descer esse peso, segundo o Governo, para 36,5% em 2015 e já obrigou à revisão do Orçamento Geral do Estado para este ano.

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".