sicnot

Perfil

Economia

Portugal volta hoje ao mercado para emitir dívida até 1.500 M€

Portugal espera colocar hoje no mercado dívida a seis meses e a um ano até 1.500 milhões de euros, através de dois leilões das linhas de Bilhetes de Tesouro (BT), de acordo com o IGCP.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Os dois leilões das linhas de BT desta manhã têm maturidades em 20 de novembro deste ano e de 20 de maio do próximo e têm um montante indicativo global entre 1.250 milhões de euros e 1.500 milhões de euros, anunciou na semana passada a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP).


No mais recente leilão de BT a seis meses, que ocorreu a 18 de março, o Estado conseguiu colocar 300 milhões de euros a uma taxa média de 0,047%; já no último leilão de BT com maturidade a um ano, que ocorreu na mesma data, foram colocados 950 milhões de euros a uma taxa média de 0,094%.


Os dois leilões estavam já previstos no calendário de financiamento para o segundo trimestre do ano, que aponta ainda para a realização de mais dois leilões de BT, que deverão ocorrer em meados de junho. 


Estes leilões deverão ter uma maturidade de três e 11 meses e um montante indicativo global entre 1.000 e 1.250 milhões de euros, de acordo com a página oficial do IGCP.


Neste segundo trimestre, está prevista ainda a emissão de dívida de longo prazo, através da combinação de sindicatos e leilões de Obrigações de Tesouro, esperando-se uma colocação de 1.000 a 1.250 milhões de euros por leilão.


No programa de financiamento do Estado para 2015, divulgado em janeiro, o IGCP previu a emissão bruta de até 14.000 milhões de euros em dívida de médio a longo prazo ao longo do ano para cobrir as necessidades de financiamento, embora o documento não incluísse o pagamento antecipado de parte do empréstimo contraído junto do Fundo Monetário Internacional.


Lusa
  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC