sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida de Portugal a cair em todos os prazos

Os juros da dívida de Portugal estavam hoje a cair a dois, cinco e dez anos em relação a quinta-feira, alinhados com os da Irlanda, Itália e Espanha.                           

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters (Arquivo)

Hoje, cerca das 08:40 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a descer para 2,302%, contra 2,401% na quinta-feira. O atual mínimo de sempre é de 1,560% e foi registado a 13 de março passado.                                                                                   

Os juros a cinco anos também estavam a cair, para 1,048%, contra 1,070% na quinta-feira e o mínimo de sempre, de 0,749%, a 10 de abril passado.        

No mesmo sentido, os juros a dois anos estavam a cair para 0,040%, contra 0,058% na quinta-feira e o mínimo de sempre, de 0,013%, a 13 de abril.

Depois de ter iniciado a 09 de março passado um programa sem precedentes de compra de dívidas soberanas e privadas, que vai permitir injetar 60 mil milhões de euros por mês, até, pelo menos, setembro de 2016, na economia da zona euro, na esperança de a redinamizar, o Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juro inalteradas em mínimos na última reunião de política monetária de 15 de abril.        

Os efeitos do programa fizeram sentir-se, por antecipação, nas taxas de juro das dívidas soberanas, que evoluem em sentido inverso ao da procura e têm renovado mínimos diariamente. Algumas das taxas tornaram-se negativas nos prazos mais curtos, ou seja, os investidores estão dispostos a pagar para deter estes títulos por os considerarem muito seguros.   

A 17 de maio de 2014, Portugal abandonou oficialmente o resgate sem qualquer programa cautelar.

O programa de ajustamento pedido por Portugal à 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), no valor de 78 mil milhões de euros, esteve em vigor durante cerca de três anos.

Hoje, os juros da dívida soberana da Irlanda estavam a cair a dois e dez anos, bem como os de Itália e Espanha. 

Em relação aos juros da Grécia, estes estavam a cair a dois e a subir a dez anos para valores em torno dos 23,15% e 11,27%, respetivamente.



Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:40:



      

           2 anos... 5 anos... 10 anos 

 

Portugal 



22/05..... 0,040......1,048....2,302

21/05..... 0,058......1,070....2,401



Grécia 



22/05.....23,157....n disp...11,276

21/05.....23,291....n disp...11,250



Irlanda



22/05......-0,070.....0,459....1,271

21/05......-0,066.....0,472....1,310



Itália



22/05......0,109......0,709....1,806

21/05......0,122......0,735....1,843

 

Espanha



22/05......n disp.....0,666....1,731

21/05......n disp.....0,688....1,767



Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.




Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.