sicnot

Perfil

Economia

Passos convida Carlos Costa para novo mandato no Banco de Portugal

O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho convidou o atual governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, para um segundo mandato à frente da instituição.

Ao que a SIC apurou, Carlos Costa mostrou predisposição para aceitar, desde que tenha condições para exercer o mandato, que, da parte do Governo, lhe foram garantidas, apesar de algumas divergências na maioria. (Arquivo)

Ao que a SIC apurou, Carlos Costa mostrou predisposição para aceitar, desde que tenha condições para exercer o mandato, que, da parte do Governo, lhe foram garantidas, apesar de algumas divergências na maioria. (Arquivo)

Francisco Seco / AP

Ao que a SIC apurou, Carlos Costa mostrou predisposição para aceitar, desde que tenha condições para exercer o mandato, que, da parte do Governo, lhe foram garantidas, apesar de algumas divergências na maioria.

A SIC sabe que o entendimento de Passos Coelho é que a resolução do BES foi um processo que assegurou a estabilidade do sistema financeiro e a salvaguarda dos depósitos, e que, no longo prazo, o trabalho da atual equipa do Banco de Portugal vai mostrar que muitas mudanças de fundo no setor financeiro foram efetivamente feitas, embora de forma por vezes discreta.

 

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.