sicnot

Perfil

Economia

Segunda greve numa semana no Metro de Lisboa

A circulação de composições no Metropolitano de Lisboa vai estar suspensa hoje a partir das 23:20 devido à greve de 24 horas marcada para terça-feira pelos trabalhadores, a segunda no espaço de uma semana contra a subconcessão da empresa.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Numa nota hoje divulgada, o Metropolitano de Lisboa adiantou que a circulação estará suspensa entre as 23:20 de hoje e as 6:30 de quarta-feira "por motivo de greve de 24 horas convocada por várias organizações sindicais representativas dos trabalhadores".

A transportadora acrescenta que a Carris reforçará algumas das carreiras de autocarros que coincidem com os eixos servidos pelo Metro, entre as 06:30 e as 21:00 de terça-feira.

As linhas com reforço do número de autocarros em circulação são a 726 (Sapadores - Pontinha Centro), a 736 (Cais do Sodré - Odivelas -- Bairro Dr. Lima Pimentel), a 744 (Marquês de Pombal - Moscavide -- Quinta das Laranjeiras) e a 746 (Marquês de Pombal - Estação Damaia).

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS) anunciou, entretanto, que vai reunir-se hoje à tarde com o secretário de Estado dos Transportes, para discutir a situação na Carris e no Metro, aproveitando mais uma vez para manifestar a sua oposição ao processo de subconcessão daquelas duas empresas de transportes de Lisboa.

Na reunião, que a Secretaria de Estado não confirma, os sindicalistas pretendem "confrontar o titular da pasta com o conjunto de problemas existentes nestas empresas e com as medidas que estão a conduzir à degradação do serviço público".

Para a greve de terça-feira, o tribunal arbitral do Conselho Económico e Social (CES) decidiu não decretar serviços mínimos para a circulação de comboios.

Esta é a sexta paralisação realizada pelos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa este ano.

Além da greve de 24 horas da passada terça-feira, a 24 de fevereiro, 16 e 18 de março e 28 de abril foram realizadas greves parciais, entre as 06:30 e as 09:30, levando a que a circulação de composições se realizasse nesses dias apenas a partir das 10:00.



Lusa
  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC