sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública colocada por Angola aumenta 160%

Angola colocou em maio 1,4 mil milhões de euros em dívida pública, no mercado primário, um aumento superior a 160 por cento no espaço de um mês, segundo dados do banco central angolano compilados hoje pela Lusa.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

Em quatro semanas contabilizadas em maio, de acordo com os relatórios semanais sobre a evolução dos mercados monetário e cambial do Banco Nacional de Angola (BNA), o país colocou 169 mil milhões de kwanzas (1,4 mil milhões de euros) em bilhetes e obrigações do Tesouro, mas também diretamente ao público.

Este total compara com os 64,8 mil milhões de kwanzas (538 milhões de euros) colocados durante cinco semanas de abril.

Na última semana (25 a 29 de maio), para a gestão corrente do Tesouro Nacional, e enquanto operador do Estado, o banco central colocou no mercado primário 61,5 mil milhões de kwanzas (511,4 milhões de euros) em Bilhetes do Tesouro (BT) e 12,6 mil milhões de kwanzas (104,7 milhões de euros) em Obrigações do Tesouro (OT).

Neste período, as maturidades das OT variaram entre os 2 e os 5 anos, com as taxas de juro a oscilarem entre os 7 e os 7,77%. No caso dos BT, as taxas de juro cifraram-se à volta de 7% ao ano a maturidade de 364 dias.

A este total soma-se a dívida pública vendida diretamente ao público, que na última semana de maio ascendeu a 428,1 milhões de kwanzas (3,5 milhões de euros).

O Governo angolano prevê um endividamento público para 2015 a rondar os 20 mil milhões de dólares (18,3 mil milhões de euros), a captar também junto de investidores privados.

Este endividamento é necessário para garantir o financiamento do Orçamento Geral do Estado (OGE) de 2015, compensando as quebras nas receitas petrolíferas, e distribui-se em partes iguais pelo mercado externo e interno.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.