sicnot

Perfil

Economia

Acionistas do BPI travam desblindagem dos estatutos

Os acionistas do BPI decidiram hoje em reunião magna chumbar a desblindagem dos direitos de voto a 20% no banco, passo essencial para o sucesso da Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada pelo CaixaBank.  

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Segundo um comunicado do banco, a proposta apresentada pelo acionista Santoro Finance, necessitava de "aprovação de 75% dos votos expressos", sendo que a mesma "obteve votos a favor de apenas 52,45%", pelo que as "alterações não foram aprovadas". 

A assembleia-geral realizou-se hoje no Porto e, segundo o banco, estiveram presentes ou representados 223 acionistas, detentores de ações correspondentes a 81,73% do capital social. 

Na assembleia-geral de 29 de abril a maioria dos acionistas do Banco BPI presentes (54,7%) tinham decidido suspender até 17 de junho a votação da alteração dos estatutos do banco, para deliberar sobre o fim do limite de votos. 

Esta alteração estatutária, que necessitava de ser aprovada por maioria qualificada, é decisiva para o sucesso da OPA - lançada em fevereiro pelo CaixaBank sobre a totalidade do capital do BPI, a 1,329 euros por ação -, alteração essa que a Santoro, de Isabel dos Santos, pretendia votar e inviabilizar já na assembleia-geral do final de abril. 

Isto porque a empresária angolana já deixou clara por diversas ocasiões a sua oposição à oferta dos catalães, tendo avançado como proposta alternativa uma fusão entre o BPI e o BCP para criação da maior entidade bancária portuguesa. 

O Caixa Bank lançou a 17 de fevereiro uma OPA sobre a totalidade do capital do BPI a 1,329 euros por ação, um preço considerado baixo pela administração do banco português.

Duas semanas depois, Isabel dos Santos avançou uma proposta alternativa de fusão entre o BPI e o BCP. 

 

Lusa

 

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC