sicnot

Perfil

Economia

Inflação baixa para 0,3% na zona euro e UE em maio

A taxa de inflação homóloga na zona euro e na União Europeia (UE) estabeleceu-se em 0,3% em maio, abaixo dos 0,5% e dos 0,6% do mesmo período de 2014, respetivamente, divulga hoje o Eurostat. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, a taxa de inflação subiu na comparação com abril, mês em que a variação homóloga foi de 0,0%, quer no grupo dos 19 países da moeda única, quer no conjunto dos Estados-membros.

Em Portugal, a taxa de inflação homóloga em maio, que compara os preços nesse mês com o mesmo mês do ano anterior, foi de 1%, quando em abril tinha sido de 0,5%.

Oito Estados-membros apresentaram em maio taxas de inflação homólogas negativas: Chipre (-1,7%), Grécia (-1,4%), Eslovénia (-0,8%), Polónia (-0,6%), Bulgária, Espanha (-0,3% cada), Lituânia e Eslováquia (-0,1% cada).

Por outro lado, as taxas mais elevadas registaram-se na Roménia, em Malta (1,3% cada) e na Letónia (1,2%).

Face aos valores de abril, a inflação baixou em dois Estados-membros, manteve-se estável em três e aumentou em 23.

Analisando as principais componentes da inflação, na zona euro, o maior aumento de preços verificou-se no setor dos legumes, restaurantes e cafés e tabaco, enquanto o impacto negativo veio dos combustíveis e gás.

A baixa inflação tem impactos significativos na evolução da economia. Preocupado com isso, o Banco Central Europeu (BCE) tem em marcha um programa de compra de ativos em larga escala para combater a deflação e estimular a economia.

O BCE tem como mandato uma taxa de inflação da zona euro inferior, mas próxima, dos 2%.


Lusa
  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.