sicnot

Perfil

Economia

Portugal deu ordem para pagar mais 1,8 mil M€ ao FMI

Portugal deu ordem para serem pagos antecipadamente mais 1,8 mil milhões de euros dos empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI), disse ontem à noite a ministra das Finanças.

Lusa

Maria Luís Albuquerque deu esta informação aos jornalistas no Luxemburgo, onde participou na reunião dos ministros das Finanças da zona euro, o chamado Eurogrupo.

A governante considerou que um eventual incumprimento ou mesmo saída da Grécia da zona euro não teria impactos nefastos em Portugal, uma vez que o país tem financiamento assegurado a médio prazo e garantiu que uma situação dessas não poria em causa o desembolso antecipado da dívida ao FMI. 

Aliás, hoje mesmo foi dada ordem para pagar mais 1,8 mil milhões de euros, que se juntam aos 6,6 mil milhões já pagos antecipadamente.

Portugal pediu este ano autorização para reembolso de até metade do montante total dos empréstimos do FMI (28 mil milhões de euros), ou seja, 14 mil milhões de euros.


Lusa
  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.