sicnot

Perfil

Economia

François Hollande diz que "não há tempo a perder" nas negociações com a Grécia

O Presidente francês, François Hollande, afirmou hoje que nas negociações entre os credores internacionais e o Governo grego "não há tempo a perder" porque, sublinhou, "cada segundo tem a sua importância".

© STRINGER Italy / Reuters

"Sobre a questão da Grécia, não há tempo a perder. Cada segundo tem a sua importância", afirmou Hollande, num encontro com os media em conjunto com o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, com quem manteve previamente um encontro bilateral no norte de Milão.

As suas palavras foram secundadas pelo chefe do Governo italiano, que também instou Atenas a fazer um esforço.

Entretanto, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, já entregou o seu pacote de medidas, tendo em vista "um acordo benéfico mútuo" à chanceler alemã, Angela Merkel, a Hollande e ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, nas conversas telefónicas hoje mantidas.

Segundo um comunicado do gabinete do Governo grego, o acordo "deverá trazer uma solução definitiva e não provisória" para a Grécia, sem precisar se as propostas feitas são novas ou avançar qualquer detalhe.

Agora, falta saber o que os seus credores internacionais - Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) - pensam sobre este novo plano.

De acordo com a informação avançada esta manhã pela televisão privada Mega, o plano que esteve a ser discutido previa a manutenção dos três tipos de imposto sobre o consumo (IVA), de 6,5%, 13% e 23%, propostos já por Atenas, ao contrário dos dois que defendem as instituições internacionais, mas a Grécia estaria disposta a alterar o imposto sobre alguns alimentos ou hotéis para aumentar as receitas fiscais.

No que respeita às pensões, que em conjunto com o IVA representa um dos pontos onde existe maior desacordo entre a Grécia e os seus credores, o Governo de Alexis Tsipras estaria disposto a acabar com as reformas antecipadas a partir do próximo ano, poupando cerca de 200 milhões de euros.

Além disso, segundo a televisão, a parte grega admitiria estudar a redução das pensões complementares mais elevadas de alguns funcionários, embora estes representem apenas 80.000 do total, o que representa um impacto pequeno.

Por sua vez, as instituições exigem um corte das pensões que represente um encaixe de 1.800 milhões de euros, cerca de 1% do produto interno bruto (PIB) em 2016.

O Governo grego também estaria disposto a manter o polémico imposto sobre a propriedade imobiliária, denominado de Enfia, que se tinha comprometido a eliminar este ano.

De acordo com as mesmas fontes, o ministro de Estado, Nikos Pappas, e alguns membros da equipa negociadora grega estão já em Bruxelas, refere a Efe.

Por outro lado, o FMI está atento à data limite de pagamento de 1.600 milhões de euros pela Grécia, que termina a 30 de junho, pois caso tal não aconteça irá ativar o protocolo oficial de "pagamento atrasado".

O FMI já afirmou que não irá dar um "período de graça" à Grécia se esta falhar o prazo.







Lusa
  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52