sicnot

Perfil

Economia

Grécia prepara novo plano de reformas para chegar a acordo

© Alkis Konstantinidis / Reuter


De acordo com a informação avançada pela televisão privada Mega, o novo plano manteria os três tipos de imposto sobre o consumo (IVA), de 6,5%, 13% e 23%, propostos já por Atenas, ao contrário dos dois que defendem as instituições internacionais, mas a Grécia está disposta a alterar o imposto sobre alguns alimentos ou hotéis para aumentar as receitas fiscais.

No que respeita as pensões, que em conjunto com o IVA representa um dos pontos onde existe maior desacordo entre a Grécia e os seus credores, o governo de Alexis Tsipras estaria disposto a acabar com as reformas antecipadas a partir do próximo ano, poupando cerca de  200 milhões de euros.

Além disso, segundo a televisão, a parte grega admitiria estudar a redução das pensões complementares mais elevadas de alguns funcionários, embora estes representem apenas 80.000 do total, o que representa um impacto pequeno.

Por sua vez, as instituições - Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) - exigem um corte das pensões que represente um encaixe de 1.800 milhões de euros, cerca de 1% do produto interno bruto (PIB) em 2016.

O governo grego também estaria disposto a manter o polémico imposto sobre a propriedade imobiliária, denominado de Enfia, que se tinha comprometido a eliminar este ano.

Este novo plano deverá ser apresentado nas próximas horas, na sequência da esperada conversa telefónica que Tsipras terá hoje com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

A questão chave para o executivo grego passa pela aceitação, por parte dos credores, de uma reestruturação da dívida, ao mesmo tempo que insiste em não permitir o fim da Ekas (subsídio para os reformados) e a subida em 10 pontos percentuais no IVA sobre a eletricidade.

Esta proposta será debatida hoje em Conselho de Ministros.

Segundo os media locais, durante o dia o primeiro-ministro grego poderá ainda falar com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o Presidente francês, François Hollande, em antevisão da reunião europeia de segunda-feira.

De acordo com as mesmas fontes, o ministro de Estado, Nikos Pappas, e alguns membros da equipa negociadora grega estão já em Bruxelas, refere a Efe.


  • Incerteza na Grécia
    1:48

    Economia

    Na Grécia estão agendadas, para este fim-de-semana, várias reuniões técnicas. Jean-Claude Juncker já tinha admitido telefonar a Tsipras e esta manhã um ministro grego terá admitido que há mesmo uma conversa marcada entre o presidente da Comissão Europeia e o primeiro-ministro grego. Tsipras regressou hoje da visita oficial à Rússia.

  • Reunião do governo grego termina em silêncio
    1:52

    Economia

    Este fim-de-semana é de tensão na Grécia, antes do Eurogrupo e da cimeira extraordinária de segunda-feira.O governo grego esteve reunido durante tarde num encontro de última hora, mas que acabou sem qualquer comentário. Nas ruas de Atenas, para já, o ambiente é de tranquilidade, mas amanhã haverá uma manifestação convocada pelo Syriza.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.