sicnot

Perfil

Economia

"Piropos" do Governo grego fazem parte de estratégia política, diz Marques Guedes

O ministro da Presidência considerou hoje que o Governo grego tem dirigido "piropos" a Portugal e outros países do sul da Europa como parte da sua estratégia política, e manifestou dúvidas sobre o resultado.

Luís Marques Guedes (Lusa / Arquivo)

Luís Marques Guedes (Lusa / Arquivo)

TIAGO PETINGA

"É a estratégia política que o Governo grego está a seguir. Veremos qual é o resultado", afirmou Luís Marques Guedes, em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros. 

Questionado sobre as referências feitas a Portugal pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, o ministro da Presidência qualificou-as de "piropos" que têm sido "muitas vezes" dirigidos a Portugal, mas também a outros países do sul da Europa.

"Eu penso, com toda a franqueza, que isso tem que ver com uma estratégia política da parte do próprio Governo grego, que obviamente eu não vou comentar", disse Luís Marques Guedes. 

"Posso achar, neste ou naquele momento, que são de mau gosto, mas compreendo que faz parte de uma política. E é a estratégia política que o Governo grego está a seguir. Veremos qual é o resultado", acrescentou.

Interrogado sobre que balanço o Governo português faz dos acontecimentos dos últimos dias, e que ponto da situação pode fazer, com base nas informações de que dispõe, o ministro da Presidência não quis fazer nenhuma leitura ou análise das negociações em curso sobre o futuro da Grécia.

"A decisão relativamente ao problema grego é uma decisão europeia. Não é uma decisão individual de nenhum país em particular, e seguramente não do nosso país em concreto", justificou. 

Marques Guedes reiterou apenas que o Governo português está "empenhado numa boa solução que poupe o povo grego a mais provações do que aquelas que já tem tido", no quadro das "regras de participação da zona euro". 

"Essa é uma decisão que parte, em primeira linha parte, da própria Grécia, como é evidente, de aceitar as regras de participação na zona euro, e por outro lado da própria zona euro, da própria Europa", disse o ministro.

"O Governo português continua obviamente empenhado e esperançado em que se encontre uma solução que seja boa para a Grécia e boa para a Europa", acrescentou.






Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.