sicnot

Perfil

Economia

Confiança dos consumidores desce, dos empresários sobe

O indicador de confiança dos consumidores continuou a desdeminuir em junho, mas a confiança dos empresários voltou a aumentar e atingiu valores máximos de maio de 2008, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A diminuição do indicador de confiança dos consumidores foi sobretudo reflexo do contributo negativo das perspetivas de evolução da poupança, explica o INE, que atribui ainda esta queda às perspetivas sobre a situação financeira do agregado familiar e sobre a situação económica do país. 

A avaliação do instituto baseia-se numa média das respostas dos últimos três meses, mas considerando apenas junho os dados são positivos: "No entanto, não considerando médias móveis, o indicador de confiança aumentou nos últimos dois meses", escreve o INE na nota de divulgação. 

Contudo, nem todos os empresários portugueses acompanham o negativismo dos consumidores, registando-se em junho uma melhoria na confiança em dois dos quatro setores analisados (indústria transformadora e serviços), uma estabilização no indicador do comércio e uma diminuição no indicador da construção e obras públicas. 

Na indústria transformadora, o indicador de confiança aumentou de forma ténue em junho, devido ao contributo positivo das apreciações sobre a procura global e das perspetivas de produção, fixando o máximo desde abril de 2008.

Em contrapartida, o indicador da construção e obras públicas diminuiu ligeiramente em resultado da evolução negativa das expectativas de emprego, uma vez que o saldo das opiniões sobre a carteira de encomendas aumentou. 

O indicador de confiança do comércio estabilizou em junho no valor mais elevado desde agosto de 2001, refletindo as expetativas positivas sobre as vendas e o contributo negativo das opiniões sobre o volume de stocks.

O indicador de confiança dos serviços recuperou em junho, devido ao comportamento positivo das opiniões sobre a atividade da empresa e sobre a evolução da carteira de encomendas e das perspetivas sobre a evolução da procura, mais significativo no primeiro caso.


  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa