sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida de Portugal a subir em todos os prazos, pressionados pela crise na Grécia

Os juros da dívida de Portugal estavam hoje a subir a dois, cinco e dez anos, alinhados com os da Irlanda, Itália e Espanha, fortemente pressionados pela crise na Grécia.        

© Rafael Marchante / Reuters

Os juros da Grécia a dois e dez anos estavam hoje, cerca das 09:10 em Lisboa, a subir para 38,699% e 15,298%, respetivamente. 

Hoje, cerca das 09:10 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a subir para 3,116%, contra 3,083% na segunda-feira e depois de terem subido até aos 3,253% a 15 de junho, um máximo desde meados de outubro. O atual mínimo de sempre é de 1,560% e foi registado a 13 de março passado.                                                                                                      

No mesmo sentido, os juros a cinco anos estavam a subir, para 1,773%, contra 1,710% na segunda-feira, depois de terem subido a 16 de junho até aos 1,927%, um máximo desde meados de outubro de 2014, e descido para o mínimo de sempre, de 0,749%, a 10 de abril.         

Os juros a dois anos também estavam a subir para 0,121%, contra 0,114% na segunda-feira, mas abaixo do máximo dos últimos seis meses, de 0,506%, registado a 7 de janeiro.      

O atual mínimo de sempre dos juros a dois anos, de 0,013%, foi atingido a 13 de abril passado.     

Os juros das dívidas soberanas europeias estão a ser pressionados para a alta devido à ausência de acordo entre a Grécia e os credores internacionais, que pode desencadear a saída de Atenas da zona euro, e mais do que anular o programa de estímulos em curso do Banco Central Europeu. 

Depois de ter iniciado a 09 de março passado um programa inédito de compra de dívidas soberanas e privadas, que vai permitir a injeção de 60 mil milhões de euros por mês, até, pelo menos, setembro de 2016, na economia da zona euro, na esperança de a redinamizar, o Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juro inalteradas em mínimos na última reunião de política monetária de 03 de junho.              

Uma eventual saída da Grécia da zona euro pode afetar negativamente Portugal, que a 17 de maio de 2014 abandonou oficialmente o resgate sem qualquer programa cautelar.

O programa de ajustamento pedido por Portugal à 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), no valor de 78 mil milhões de euros, esteve em vigor durante cerca de três anos.

Hoje, os juros da dívida soberana da Irlanda estavam a subir em todos os prazos, bem como os de Itália e de Espanha. 

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 09:10:

2 anos... 5 anos... 10 anos 

Portugal 

30/06..... 0,121......1,773....3,116

29/06..... 0,114......1,710....3,083

Grécia 

30/06.....38,699.....n disp...15,298

29/06.....38,417.....n disp...15,078

Irlanda

30/06.......0,169....0,665.....1,680

29/06.......0,155....0,646.....1,664

Itália

30/06......0,478......1,308....2,397

29/06......0,453......1,283....2,391

Espanha

30/06......0,469......1,175....2,361

29/06......0,460......1,150....2,347

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

 

 

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41