sicnot

Perfil

Economia

Carvão foi a principal fonte de produção de eletricidade no primeiro semestre

A produção de eletricidade a partir do carvão disparou 59% no primeiro semestre deste ano em relação ao período homólogo, tendo sido a principal fonte energética ao abastecer 26% do consumo nacional, segundo os dados da REN. 

No primeiro semestre deste ano, as centrais a carvão produziram 6449 gigawatts/hora (GWh), valor que compara com os 4.065 GWh do período homólogo, compensando a queda na produção das fontes renováveis registada nos primeiros seis meses do ano, sobretudo da hídrica. (Arquivo)

No primeiro semestre deste ano, as centrais a carvão produziram 6449 gigawatts/hora (GWh), valor que compara com os 4.065 GWh do período homólogo, compensando a queda na produção das fontes renováveis registada nos primeiros seis meses do ano, sobretudo da hídrica. (Arquivo)

© Amr Dalsh / Reuters

No primeiro semestre deste ano, as centrais a carvão produziram 6449 gigawatts/hora (GWh), valor que compara com os 4.065 GWh do período homólogo, compensando a queda na produção das fontes renováveis registada nos primeiros seis meses do ano, sobretudo da hídrica. 

Entre janeiro e junho, a produção hídrica caiu 44% para 6.055 GWh, pouco mais do que a eólica, que registou uma produção 6.028 GWh, uma diminuição de 9% face ao mesmo período de 2014. 

Segundo os dados da gestora da rede elétrica, as fontes renováveis abasteceram 53% do consumo com as hidráulicas a representarem 22%, as eólicas 24%, a biomassa 5% e as fotovoltaicas 1,5%.  

No primeiro semestre do ano anterior, as renováveis tinham representado 73% do consumo devido às condições excecionais então verificadas.

A par com o aumento da atividade nas centrais a carvão, também acelerou a produção nas centrais de gás natural, com a produção a aumentar 43%, para 3.953 GWh. 

O consumo de energia elétrica aumentou 1,2% nos primeiros seis meses do ano, mas a variação é nula com a correção de temperatura e número de dias úteis face ao mesmo período do ano anterior. 

Lusa

  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05