sicnot

Perfil

Economia

Durão Barroso considera que 'troika' foi decisiva para a reforma do poder local

O anterior presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, considerou hoje que a 'troika' foi decisiva para a reforma do poder local feita pelo Governo PSD/CDS-PP, que é tema do livro dos ex-governantes Miguel Relvas e Paulo Júlio.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

Reuters

"A verdade é que foi precisa a 'troika' para termos esta reforma", afirmou Durão Barroso, na apresentação desse livro de Miguel Relvas e Paulo Júlio, intitulado "O outro lado da governação". 

Segundo o ex-presidente da Comissão Europeia, "foi decisivo o impulso que veio de fora", e sem isso, "provavelmente, a reforma teria ficado no caminho".

O primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, o banqueiro José Maria Ricciardi, o antigo ministro socialista Jorge Coelho, o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e os ministros Paula Teixeira da Cruz e Luís Marques Guedes estavam entre as cerca de 350 pessoas presentes nesta sessão de apresentação, realizada num hotel de Lisboa.

A ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, o antigo presidente do PSD Luís Marques Mendes, os secretários de Estado Sérgio Monteiro, Teresa Morais e Luís Campos Ferreira também marcaram presença.

No início da sua intervenção, José Manuel Durão Barroso disse ter recebido "com alguma surpresa" o convite do ex-ministro Miguel Relvas para apresentar o livro "O outro lado da governação", editado pela Porto Editora.

"É um convite de um amigo, e é para mim muito difícil dizer não a um amigo", justificou.

Por outro lado, segundo o antigo primeiro-ministro, o convite para apresentar este livro faz sentido tendo em conta a reforma do poder local que o Governo que chefiou entre 2002 e 2004, e que teve Miguel Relvas como secretário de Estado da Administração Local, tentou, sem sucesso, concluir.

No seu entender, essa reforma acabou por ser concluída pelo atual executivo PSD/CDS-PP.

Contudo, de acordo Durão Barroso, para que isso acontecesse não bastou a "vontade assumida" pelo atual Governo, "a verdade é que foi precisa a 'troika'". 

Isso "é polémico, mas tem de ser dito", defendeu.

"Penso muito sinceramente que, sem esse impulso, provavelmente, perante manifestações que chegaram a atingir 100 mil pessoas, a reforma teria ficado no caminho", acrescentou.

No seu discurso, o ex-presidente da Comissão Europeia comparou a reforma do Estado português a "um estaleiro" e apontou a necessidade de reformar outros setores, como o das empresas públicas, através "da sua privatização".

Numa apreciação da obra de Miguel Relvas e Paulo Júlio, Durão Barroso qualificou-a de "muito interessante e útil", e salientou o facto de o livro ter "testemunhos de responsáveis políticos tão relevantes como Marcelo Rebelo de Sousa, Pedro Santana Lopes, Luís Marques Mendes, Luís Montenegro, entre outros".

Quanto à reforma do poder local, o antigo presidente do PSD destacou a redução de freguesias e de cargos executivos das juntas e considerou "curioso" que isso tenha sido feito "por alguém que muitas vezes é acusado de ser um partido de aparelho".

Depois, disse que "alguns dos chamados políticos de aparelho são aqueles que conhecem melhor o país" e que "para reformas destas é necessário um político que conheça a realidade".

 

 

 

 

Lusa

 

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC