sicnot

Perfil

Economia

Durão Barroso considera que 'troika' foi decisiva para a reforma do poder local

O anterior presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, considerou hoje que a 'troika' foi decisiva para a reforma do poder local feita pelo Governo PSD/CDS-PP, que é tema do livro dos ex-governantes Miguel Relvas e Paulo Júlio.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

Reuters

"A verdade é que foi precisa a 'troika' para termos esta reforma", afirmou Durão Barroso, na apresentação desse livro de Miguel Relvas e Paulo Júlio, intitulado "O outro lado da governação". 

Segundo o ex-presidente da Comissão Europeia, "foi decisivo o impulso que veio de fora", e sem isso, "provavelmente, a reforma teria ficado no caminho".

O primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, o banqueiro José Maria Ricciardi, o antigo ministro socialista Jorge Coelho, o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e os ministros Paula Teixeira da Cruz e Luís Marques Guedes estavam entre as cerca de 350 pessoas presentes nesta sessão de apresentação, realizada num hotel de Lisboa.

A ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, o antigo presidente do PSD Luís Marques Mendes, os secretários de Estado Sérgio Monteiro, Teresa Morais e Luís Campos Ferreira também marcaram presença.

No início da sua intervenção, José Manuel Durão Barroso disse ter recebido "com alguma surpresa" o convite do ex-ministro Miguel Relvas para apresentar o livro "O outro lado da governação", editado pela Porto Editora.

"É um convite de um amigo, e é para mim muito difícil dizer não a um amigo", justificou.

Por outro lado, segundo o antigo primeiro-ministro, o convite para apresentar este livro faz sentido tendo em conta a reforma do poder local que o Governo que chefiou entre 2002 e 2004, e que teve Miguel Relvas como secretário de Estado da Administração Local, tentou, sem sucesso, concluir.

No seu entender, essa reforma acabou por ser concluída pelo atual executivo PSD/CDS-PP.

Contudo, de acordo Durão Barroso, para que isso acontecesse não bastou a "vontade assumida" pelo atual Governo, "a verdade é que foi precisa a 'troika'". 

Isso "é polémico, mas tem de ser dito", defendeu.

"Penso muito sinceramente que, sem esse impulso, provavelmente, perante manifestações que chegaram a atingir 100 mil pessoas, a reforma teria ficado no caminho", acrescentou.

No seu discurso, o ex-presidente da Comissão Europeia comparou a reforma do Estado português a "um estaleiro" e apontou a necessidade de reformar outros setores, como o das empresas públicas, através "da sua privatização".

Numa apreciação da obra de Miguel Relvas e Paulo Júlio, Durão Barroso qualificou-a de "muito interessante e útil", e salientou o facto de o livro ter "testemunhos de responsáveis políticos tão relevantes como Marcelo Rebelo de Sousa, Pedro Santana Lopes, Luís Marques Mendes, Luís Montenegro, entre outros".

Quanto à reforma do poder local, o antigo presidente do PSD destacou a redução de freguesias e de cargos executivos das juntas e considerou "curioso" que isso tenha sido feito "por alguém que muitas vezes é acusado de ser um partido de aparelho".

Depois, disse que "alguns dos chamados políticos de aparelho são aqueles que conhecem melhor o país" e que "para reformas destas é necessário um político que conheça a realidade".

 

 

 

 

Lusa

 

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Romelu Lukaku: força, potência e intensidade

    Mundial 2018 / Bélgica

    O avançado Romelu Lukaku foi eleito o Homem do Jogo entre Bélgica e Panamá. Num registo ofensivo em que a força e a potência são pilares para o sucesso junto às redes adversárias, Lukaku representa uma ameaça temível para qualquer defesa. Aos 25 anos, o ponta de lança que José Mourinho foi buscar ao Everton para dar outra intensidade ao ataque do Manchester United vive o melhor momento da carreira. Para já, assume-se como um candidato de respeito na corrida à Bota de Ouro deste Mundial.

  • Andreas Granqvist: o homem que destronou Ibrahimović

    Mundial 2018 / Suécia

    Depois de marcar o penálti que garantiu a vitória da Suécia frente à República da Coreia, Andreas Granqvist conquistou o título de homem do jogo. O capitão da equipa sueca foi também o vencedor da Bola de Ouro atribuída ao melhor futebolista sueco, em 2017, roubando o prémio ao carismático Ibrahimović, que já recebia a distinção há 10 anos consecutivos. Granqvist deu a vitória à Suécia e colocou a seleção escandinava no topo do grupo F, ao lado do México. Aos 32 anos, o defesa central é já um conhecedor dos relvados russos, já que alinha no FK Krasnodar.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Madonna esteve no Terreiro do Paço a ver o Brasil-Suíça
    0:15
  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC