sicnot

Perfil

Economia

Bolsa de Nova Iorque recomeçou operações após três horas de suspensão

A bolsa de Nova Iorque recomeçou as operações às 15:10, hora local (20:10 em Lisboa), depois de uma suspensão de mais de três horas, devido a problemas técnicos não especificados.

© Lucas Jackson / Reuters

A suspensão aconteceu às 11:32, hora local (16:32 em Portugal continental), mas as transações eletrónicas e as plataformas alternativas continuaram a funcionar.

De acordo com o canal financeiro da televisão CNBC, os terminais da bolsa de Nova Iorque recomeçaram a aceitar ordens com um ritmo muito lento, a menos de uma hora do fecho da sessão.

Quando se reiniciaram as operações, e as transações, o Dow Jones Industrial, o principal indicador, baixava 1,14 %, até aos 17.573,93 pontos, enquanto o S&P 500 caía 1,32 %, até aos 2.053,79.

Tanto o Dow Jones como o S&P 500 incluem títulos da NYSE e do mercado Nasdaq, que não sofreram interrupções e que funcionam noutras instalações, em Times Square.

O índice composto do mercado Nasdaq baixava 1,52 %, até aos 4.921,50, quando foram retomadas as operações na bolsa de Nova Iorque.

As quebras são consequência das descidas bolsistas da China e da crise financeira da Grécia.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.