sicnot

Perfil

Economia

Reunião decisiva para Atenas e zona euro hoje em Bruxelas

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se hoje, em Bruxelas, num encontro decisivo sobre a Grécia, já que, em função das conversações, será decidido ou um terceiro "resgate" ou o chamado "Grexit", a saída da zona euro.

© Laszlo Balogh / Reuters

Depois de meses de negociações e de uma sucessão de reuniões de emergência nas últimas semanas, ao nível de ministros das Finanças mas também de chefes de Estado e de Governo, este será o fim de semana decisivo, estando previstas cimeiras extraordinárias da zona euro e da UE a 28 para domingo, que deverão ou aprovar um acordo alcançado no Eurogrupo ou tomar as decisões com vista a um "Grexit", cenário para o qual a Comissão Europeia admitiu já ter um "plano detalhado".

No entanto, as partes parecem ter-se aproximado desde o polémico referendo do domingo passado - e que se saldou numa clara vitória do "não" à última proposta colocada em cima da mesa pelas instituições -, tendo o Governo grego, agora já sem Yanis Varoufakis na pasta das Finanças (foi substituído por Euclides Tsakalotos), apresentado na quarta-feira um pedido de ajuda para três anos, e na quinta à noite as suas propostas de reformas, com as quais espera alcançar finalmente um acordo com os credores.

Na reunião de hoje do Eurogrupo, com início marcado para 15:00 locais (14:00 de Lisboa), as instituições -- Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional -- começarão por dar conta, aos ministros das Finanças da zona euro, entre os quais Maria Luís Albuquerque, da análise que fizeram, ao longo de sexta-feira, do pacote de medidas proposto por Atenas, seguindo-se então uma discussão que se prevê longa, e desta vez decisiva.

O novo pacote de reformas, que poderá desbloquear um acordo e evitar a saída da Grécia do euro (o chamado "Grexit"), propõe várias medidas que vão ao encontro das exigências dos credores, com o objetivo de aumentar as receitas públicas, em troca de ajuda financeira a três anos.

Uma das questões que parece mais dividir Estados-membros e as próprias instituições é a de uma eventual reestruturação da dívida grega -- que representa cerca de 180% do Produto Interno Bruto, ou seja, quase o dobro da riqueza produzida no país -, já considerada necessária pelo FMI, mas que merece a oposição da Alemanha, entre outros.

Para domingo estão agendadas cimeiras do euro e da UE, tendo lugar na segunda-feira uma reunião ordinária do Eurogrupo, para a qual está prevista a eleição do presidente do fórum - cargo ao qual concorrem o atual presidente, Jeroen Dijsselbloem, e o espanhol Luis de Guindos - e uma discussão sobre a Grécia, restando saber em que moldes decorrerá essa discussão, se já numa perspetiva do terceiro programa de assistência; se de uma zona euro reduzida a 18 membros e de uma ajuda humanitária de emergência a Atenas.  

Lusa

  • Parlamento grego dá luz verde às reformas de Tsipras

    Economia

    Apesar da maioria ter aprovado o documento, a votação ficou marcada pelo voto contra de 32 deputados e ainda por 8 abstenções, incluindo a do presidente do Parlamento e do ministro da Energia. Estiveram ainda ausentes da votação 7 elementos da coligação no poder.

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.