sicnot

Perfil

Economia

Produtores de leite alertam para "situação dramática" que se vive no setor

Cerca de duas centenas de produtores de leite manifestaram-se hoje em frente a hipermercados da Póvoa de Varzim e Vila do Conde, alertando para a "situação dramática" que estão a atravessar depois do fim das quotas leiteiras.

Fernando Veludo

Fernando Veludo

(Arquivo)

(Arquivo)

Fernando Veludo

O protesto, que incluiu um desfile de tratores e alfaias agrícolas com várias mensagens, teve como objetivo dar conta da "situação crítica" da produção do leite, com preços muito baixos e dificuldades de recolha do leite produzido em Portugal.

Através das mensagens que se podiam ler nos tratores, os agricultores sensibilizaram a população para a importância do consumo de leite e derivados produzidos em Portugal.

O presidente da APROLEP - Associação dos Produtores de Leite em Portugal, Carlos Neves, disse que a situação que os produtores estão a viver é "muito difícil" e explicou os motivos da manifestação.

"Queremos lançar um apelo a Bruxelas para que reconheça esta crise (...), depois queremos um trabalho do Governo na fiscalização do leite importado, mediando a distribuição e a indústria".

O responsável sublinhou que existem produtores "a atravessar enormes dificuldades e que estão a colocar dinheiro do bolso na empresa".

"Quando não têm mais dinheiro, vivem dos fornecedores que vão alargando os prazos de pagamento", acrescentou.

Carlos Neves adiantou ainda que atualmente no continente restam cerca de três mil produtores, face aos 80 mil de há alguns anos.

"As pessoas vão resistindo até ao fim mas é muito complicado", afirmou.

Já o presidente da AJADP -Associação de Jovens Agricultores do Distrito do Porto, Miguel Silva, confessou que não percebe o motivo das importações de leite, defendendo que "estão a esmagar a produção nacional".

"Não se percebe o motivo das importações e como é que o leite chega a preços irrisórios. Estão a importar leite e isso está a esmagar a nossa produção. Os produtores estão falidos porque não há forma de combater estes preços", disse.

Miguel Silva explicou que atualmente o produtor recebe em média 28 cêntimos por litro, quando o valor justo ronda os 35 cêntimos.

"Isso já permitia, não ganhar muito dinheiro, mas pagar todos os investimentos que foram feitos. Assim é impossível resistir mais que quatro meses", afirmou.

"Não demorará muito para os produtores terem que vender os animais e fechar produções. Neste momento está já a dar prejuízo, as pessoas estão a viver de algum que têm amealhado ou de crédito", acrescentou.

Também presente na manifestação para apoiar o setor, Ariana Machado, engenheira zootécnica, alertou para a situação insustentável.

"Há aqui muitas questões que teriam de ser discutidas, as motivações são muitas, mas aquilo que mais nos preocupa são as estratégias nacionais que não foram adotadas pelas estruturas e acho que quanto à liberalização das quotas, que era sabida desde 2008, nada foi feito e agora estamos assim", explicou.

A engenheira zootécnica sublinhou ainda as dificuldades dos produtores em "cumprir com as necessidades básicas diárias de uma exploração, a desmotivação e a incapacidade de investimento".

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.