sicnot

Perfil

Economia

PCP exige que o Governo devolva descontos a mais para a ADSE

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou na sexta-feira em Almada que o Governo tem de dar explicações sobre o destino dos descontos dos trabalhadores para a ADSE e devolver aquilo que cobrou em excesso.

Pedro Nunes

"A desculpa esfarrapada de que o aumento das contribuições [para o sistema de proteção social dos trabalhadores em funções públicas (ASDSE)] pode ter sido mal calculado não colhe, mas o que importa agora é que o Governo devolva, para os trabalhadores que fizeram os descontos, esse dinheiro, que é deles, e que não se justifica servir para reforçar o Orçamento de Estado", disse Jerónimo de Sousa.

O líder comunista falava a cerca de mil apoiantes no comício de apresentação da lista de candidatos da CDU às eleições legislativas no distrito de Setúbal, liderada, uma vez mais, pelo deputado por Francisco Lopes, deputado e ex-candidato à Presidência da República.

No comício, que encheu a Praça das Portela, no Laranjeiro, em Almada, o dirigente comunista reafirmou a necessidade de uma renegociação da dívida externa portuguesa, que continua a aumentar, e lembrou que, na Grécia, já são as próprias instituições europeias a reconhecer a necessidade de reestruturação da dívida grega.

"Os donos da União Europeia e o FMI (Fundo Monetário Internacional), já falam hoje na necessidade de renegociação da dívida. Quem havia de dizer. Quem o fazia há quatro anos - tal como o PCP -, era considerado um proscrito", recordou Jerónimo de Sousa, acrescentando que o reconhecimento da necessidade de reestruturação da dívida grega "vem dar razão ao que o PCP sempre defendeu".

No plano nacional, Jerónimo de Sousa deixou claro que os comunistas já não conseguem vislumbrar grandes diferenças entre os dois maiores partidos, PS e PSD.

"O PSD quer privatizar à bruta, o PS quer privatizar devagarinho. Eis uma diferença substancial entre os programas dos dois partidos", ironizou o líder comunista, desafiando os dois partidos a explicarem aos portugueses o que os separa naquilo que é estruturante para o País.

Jerónimo de Sousa defendeu também a necessidade de uma rutura com as políticas que têm sido seguidas pelos sucessivos governos do PS, PSD e CDS e que na, opinião do líder comunista, conduziram o País para uma situação de dependência externa.

"Não basta mudar de Governo, é preciso também mudar de política", frisou Jerónimo de Sousa, assegurando que a solução para os problemas dos portugueses passa pela "rutura com as receitas e os caminhos que afundaram o País".

O líder comunista defendeu ainda a necessidade de se realizar um estudo para preparar a saída de Portugal do euro e que deveria também avaliar os prejuízos causados à economia portuguesa pela adesão à moeda única europeia.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa