sicnot

Perfil

Economia

Pharol vai avançar com processos contra ex-administradores

A Pharol, antiga PT SGPS, vai avançar com processos contra ex-administradores pelas aplicações na Rioforte, depois dos acionistas aprovarem a proposta por larga maioria, com cerca de 11 mil votos contra, disse um dos participantes da reunião.

A Pharol é a antiga PT SGPS. (Arquivo)

A Pharol é a antiga PT SGPS. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Os acionistas da Pharol (43% do capital representado) estiveram reunidos esta tarde em Lisboa, em assembleia-geral de acionistas, para votar a proposta do Conselho de Administração de colocar uma ação de responsabilidade contra ex-administradores da empresa devido a investimentos na Rioforte, do Grupo Espírito Santo (GES).

Questionado no final da reunião magna, que durou cerca duas horas, sobre se Henrique Granadeiro fazia parte da lista dos antigos administradores da PT SGPS que vão ser alvo de um processo, o presidente do Conselho de Administração da Pharol, Luís Palha da Silva, escusou-se a dar nomes, defendendo a privacidade dos mesmos.

"Essa lista está em aberto, não exatamente por falta de definição", disse, apontando duas razões.

Por um lado, disse, esta assembleia-geral não é um tribunal, "um sítio onde se faz um julgamento, há que respeitar a privacidade das pessoas".

Por outro, "podem sempre somar-se ou retirar-se algumas das pessoas que atualmente fazem parte da nossa lista. Não vou entrar em mais nenhuma concretização", acrescentou.

Questionado sobre quantas ações judiciais vão avançar, Luís Palha da Silva foi perentório: "Tantas quantas se revelarem necessárias, dependendo da nossa lista".

"Obviamente, é uma ação conjunta", acrescentou.

Luís Palha da Silva, que falou pela primeira vez aos jornalistas desde que assumiu funções como presidente da Pharol, salientou que há um "dano objetivo verificado na sociedade por determinadas decisões de investimento".

E "nós pretendemos que quem se venha a considerar responsável indemnize a empresa por essas perdas, nada mais do que isso", sublinhou.

Questionado quando é que as ações deverão entrar em tribunal, o presidente do Conselho de Administração da Pharol disse esperar que tal não seja demorado.

No final de junho do ano passado, foi tornado público que as aplicações na Rioforte, datadas de abril de 2014, ascendiam no seu conjunto a 897 milhões de euros. Estes instrumentos de dívida acabariam por vencer a 15 e 17 de julho do mesmo ano, sem a PT SGPS conseguir obter aquele montante.

A situação culminaria na saída de Henrique Granadeiro, na altura presidente executivo e do conselho de administração da PT SGPS, a 7 de agosto do ano passado, e mais tarde de Zeinal Bava da Oi.

Esta foi primeira assembleia-geral da Pharol (antiga PT SGPS) desde que mudou de nome e com Luís Palha da Silva como presidente.

Lusa

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC