sicnot

Perfil

Economia

Empresas estimam crescimento de 3,4% das exportações em 2015

Os empresários estimam um crescimento das exportações de 3,4% este ano, face ao anterior, uma melhoria face à previsão de novembro, segundo um inquérito do Instituto Nacional de Estatística, hoje divulgado.

As perspetivas das exportações de bens apontam para um crescimento nominal de 3,4% das suas exportações no final deste ano, face a 2014, revendo 0,9 pontos percentuais em alta a previsão efetuada em novembro do ano passado, quando apontavam para uma subida de 2,5%.

"A revisão em alta resulta integralmente da revisão em mais 1,3 pontos percentuais das exportações Intra-UE, para um crescimento de 3%, já que para o mercado Extra-UE as empresas reviram em baixa (menos 0,4 pontos percentuais) as previsões de novembro, para um crescimento de 4,3%", explica o INE.

As empresas inquiridas apontaram como principal razão para a revisão das perspetivas de evolução das exportações de bens este ano, face à anterior previsão, o "diferente comportamento face ao esperado", na generalidade dos mercados de destino já clientes, tanto no comércio intracomunitário como no extracomunitário.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as perspetivas reveladas pelas empresas indicam um aumento de 4,5% nas exportações este ano.

Por grandes categorias económicas, o instituto destaca as expectativas de aumento das exportações para o mercado Extra-UE de material de transporte e acessórios (mais 26,4%), enquanto nas exportações de produtos alimentares e bebidas as empresas perspetivam uma redução de 2,1%.

No Comércio Intra-EU, o destaque vai para os crescimentos esperados de 6,5% nas exportações de máquinas, outros bens de capital e seus acessórios e de 6,3% no material de transporte e acessórios.

O inquérito do INE foi realizado a um total de 3. 032 empresas, que em 2014 representaram cerca de 90% das exportações de bens.

Lusa

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32